África quer desenvolver o conceito de smart cities razão pela qual o salão internacional de tecnologias que Angola acolhe prevê num dos painéis abordar as experiências de outros pontos do globo e as estratégias em como o continente lá pode chegar.
Com o Rwanda à cabeça, África entende ser o actual momento o das oportunidades, porquanto a aproximação às potenciais mundiais devido aos vários acordos comerciais e de cooperação podem catalisar e lançar ao auge, os programas de desenvolvimento.

Promoção do turismo
António de Sousa disse que o “Angola ICT Forum 2019” vai também servir de factor de relançamento do potencial turístico e captar investimentos e recursos em várias áreas, razão pela qual no dia 21, logo após o termo do evento, promoverá um tour que vai passar por vários locais de atracção turística.
As cidades de Nairobi, no Quénia, e de Cape Town, na África do Sul, são já boas referências para este conceito em África.
Para Angola o caminho é o da inclusão tecnológica e digital das comuniaddes, para tal a aposta nas infraestruturas e serviços de suporte à universalização do aceso à internet tem de prosseguir. Uma garantia dada por António de Sousa é que há banda suficiente para que no ICT Forum exista navegabilidade fácil e rápida. IL