O estágio actual da mina do projecto Luachi na Lunda Sul foi analisado esta semana num encontro entre a AGT e a direcção da Sociedadade Mineira da Catoca, para definir estratégias que visam dar cumprimento às obrigações fiscais das empresas prestadoras de serviço na zona mineira.
O encontro presidido pelo director do serviço fiscal regional, Inácio Morão, serviu ainda para abordar a evolução do processo de prospecção de diamantes na mina do Projecto Luachi.
O coordenador do projecto, Tago Duarte, disse que a mina do Luachi se encontra em fase de pesquisa, sob coordenação da Catoca, responsável pela actividade.
No encontro, o director do serviço fiscal regional alertou aos responsáveis sobre os riscos decorrentes no embarque e desembarque de passageiros, uma vez que os aparelhos de scâner para inspecção intrusiva de bagagem encontram-se com debilidades no funcionamento.
Inácio Morão apontou as limitações dos detectores manuais de metal que acabam por facilitar o contrabando de mercadorias, moedas, diamantes e drogas. A actividade que terminou com uma visita de constatação “in loco”, das salas de embarque e desembarque de passageiros do aeródromo de Catoca, do Posto Fiscal e das Centrais de Tratamento de Diamantes e Minerais 1 e 2.
O JE apurou por outro lado, que a Sociedade Mineira da Catoca, irá promover o “Catoca Mining Fórum”, em
data a anunciar brevemente.
O objectivo, segundo apurou o jornal, é reunir em Angola, uma comunidade de investidores, fornecedores de serviços, empresas mineiras e académicos para dar a conhecer, em território nacional, o potencial mineiro do país.
Neste momento, a empresa mineira está a procurar financiamento junto dos investidores para concessões como o Luachi e encontrar fornecedores que garantam serviços menos dispendiosos, e sobretudo, instrumentos de inovação tecnológica.