O projecto Luaxe na Lunda Sul necessita de 120 milhões de dólares norte-americanos para o arranque das total das suas operações. O chefe do gabinete interino do projecto, Tiago Duarte, disse que, atendendo à fase avançada de prospecção do kimberlito Luele, e tendo em conta todos os problemas que a mina apresenta, deve ser realizado um investimento na ordem de 120 milhões de dólares.
Segundo o documento a que o JE teve acesso, o técnico sublinha que, o modelo hidrogeológico sustentável para a solução do problema da água associado ao kimberlito Luele, determina que deve-se fazer um trabalho técnico com mais detalhes das características do aquífero, porosidade, permeabilidade, e outros.
Na mesma esteira, o gestor Russo, Sergey Ivanov, adiantou que o Instituto de Pesquisas da Alrosa ajudará a superar os problemas hidrogeológicos que impedem o arranque da mina.

Endiama
O Presidente do Conselho de Administração da Endiama, Ganga Júnior, afirmou que a diamantífera nacional irá construir uma fábrica de lapidação na província da Lunda Sul.
Durante o encontro que manteve com o governador da Lunda Sul Daniel Neto, em Saurimo, Ganga Júnior fez saber que, além da referida unidade fabril e de acordo com a sua carteira de projectos, a Endiama pretende também edificar um centro de formação técnico profissional de mecânica, electricidade, metalurgia e outros ofícios.
Conforme apurou o JE, o centro de formação poderá evoluir para uma escola de especialidade, para permitir que Saurimo se torne num centro de diamantes em Angola, criando todas as actividades de segmento da pedra preciosa, disse Ganga Júnior.
A implementação destes projectos, visa também combater os altos níveis de desemprego que se verificam não só naquela província, mas na região Leste do país .
O JE soube ainda, que no mês de Fevereiro do ano em curso, aquando da inauguração da fábrica de lapidação Stone Polished Diamond, em Luanda, o Ministro dos Recursos Minerais e Petróleos Diamantino Azevedo, alertou para a importância do surgimento de projectos desta natureza nas províncias diamantíferas.
Actualmente, Angola conta com duas fábricas de lapidação, ambas situadas em Luanda.

Gestão rotativa
A Sociedade Mineira da Catoca, terá, doravante, uma gestão rotativa entre a Endiama e a Alrosa.
A decisão é resultante de um entendimento alcançado entre os sócios da mina, durante a 65ª Assembleia Geral de Sócios realizado no passado dia 26 de Fevereiro, nas instalações da Catoca, em Saurimo, que serviu igualmente para fazer o balanço das actividades.
A consenso entre as partes com maior quota societária para mandatos rotativos trienais , foi transmitido à imprensa pelo director adjunto da Alrosa para assuntos africanos, Vladimir Marchenko.
De acordo com o documento que chegou ao JE, o evento serviu também para analisar o plano de trabalhos e orçamento para o ano de 2019, período durante o qual pretendem tornar a Catoca mais robusta.
A Catoca, existe há mais de vinte anos mas somente desta vez os sócios decidiram reunir na capital mineira.
O governador da Lunda Sul, Daniel Neto, mostrou-se regozijado pelo facto de a Alsora, a LLI e a Endiama terem reunido pela primeira vez, na província onde se encontra localizada a mina da Catoca, e formalizou um convite à empresa Russa para que se junte aos esforços da Endiama, no sentido de multiplicar os seus investimentos na província.
Quanto à agenda de trabalhos da reunião, os sócios da Rússia e da China foram unânimes nos pontos contidos no programa de trabalhos apresentado pelo presidente da assembleia Ganga Júnior.