A Sociedade Nacional de Combustíveis de Angola (SONANGOL) vai reforçar o seu quadro de pessoal com nova força de trabalho nacional, com vista a melhorar o seu desempenho.


Por isso, vai rever o seu processo de recrutamento de talentos, apostar na competência e na melhoria dos níveis de salário, optando a melhor forma de contratação de serviços de terceiros.

O presidente do Conselho de Administração, Francisco de Lemos Maria, lembrou que outra das prioridades para este ano e os anos seguintes assentam no investimento do capital humano considerando ser um elemento vital para o sucesso da companhia e com fito de enfrentarem os desafios empresariais nos próximos anos e décadas.

“Vamos procurar e atrair novos talentos para a companhia e dar continuidade ao programa de bolsa de estudos no exterior no sentido de alcançar as 5 mil bolsas até ao ano de 2020, das quais 1.324 já foram concedidas”, sustentou.

O presidente do Conselho da Administração da Sociedade Nacional de Combustíveis de Angola, E.P (SONANGOL), Francisco de Lemos Maria garantiu que a empresa vai continuar a investir na produção, exploração, refinação, comercialização, distribuição e venda de petróleo bruto, gás natural e derivados do petróleo.

Segundo o PCA, o objectivo é atingir uma média de produção nacional de petróleo e gás equivalente a 2 milhões de barris dia e sustentar essa meta no futuro através de um crescimento médio da produção petrolífera em 4 por cento ao ano.

O gestor que falava recentemente em Luanda sublinhou que a empresa se propõe alcançar e sustentar anualmente uma taxa de substituição da reserva produzida superior a 100 por cento, bem como alcançar no futuro um rácio de reserva de produção de pelo menos 20 anos.

Quota de produção
Neste sentido, segundo avançou em 2020 a Sonangol espera alcançar uma quota de produção própria correspondente a 20 por cento da produção nacional, o que representará uma evolução dos 13 por cento actuais, assim como manter a liderança no mercado do refinado do petróleo bruto e gás com uma quota do mercado não inferior a 65 por cento.

Com efeito, espera concluir a licitação dos 10 blocos nas bacias terrestres do Congo e Kwanza e licitar 15 novas concessões durante o ano de 2015 nas bacias do Congo, blocos em águas profundas e na bacia no Namibe.

“Vamos ainda desenvolver campanhas de aquisição em áreas que vão incluir as bacias do interior do país tais como a do Cunene, do Cuando Cubango, do Bié, do Moxico e a de Malanje”, afirmou, acrescentando que, apesar da adversidade do mercado, dar-se-á continuidade aos projectos que permitirão estabilizar a produção no período 2017/2020.

Francisco de Lemos Maria revelou que a instituição que dirige irá propor iniciativas às empresas públicas de Caminhos- de-Ferro-de Luanda, Benguela e de Moçâmedes, no que diz respeito às modalidades de investimento para a construção de ramais para as suas instalações, assim como para a aquisição de equipamentos ferroviários para a transportação de combustíveis, gás butano e lubrificantes.

Ainda no domínio dos programas gizados para os próximos anos a petrolífera espera igualmente concluir o estudo de previsibilidade para o desenvolvimento das descobertas de gás natural na província de Cabinda, no sistema de gás bacia do Congo e Kwanza.

Segundo o responsável, está em conclusão o estudo de construção da terceira base logística de suporte às operações petrolíferas no Cuanza Sul em paralelo a um extensivo programa de expansão e modernização da base do Soyo.

Angola LNG
No que toca ao projecto Angola LNG, durante o seu processo de condicionamento houve um incidente a 10 de Abril do ano passado que resultou em danos materiais, o que fez com que houvesse uma paragem na produção.

De acordo com a responsável para o sector de refinação, gás natural da Sonangol, Ana da Costa “neste momento está a ser feita a reposição dos equipamentos danificados na fábrica e a mesma estará pronta até ao final deste ano”. Em relação à Refinaria do Lobito, a gestora explicou que está neste momento em fase da construção das infra-estruturas que estarão concluídas em meados do próximo ano.