As receitas resultantes da emissão de alvarás, guia de exportação, declaração fiscal e credencial para o transporte de inertes na província da Huíla, baixaram de 22 milhões 951 mil 954 kwanzas, no I semestre de 2016, para 10 milhões 613 mil e 83 no período
homólogo do ano em curso.
A informação foi prestada à Angop, pela directora provincial da Indústria, Geologia e Minas, Paula Joaquim, afirmando ter havido uma redução considerável de mais de 12 milhões de kwanzas no período em análise.
Paula Joaquim realçou que dos dez milhões arrecadados, seis milhões 915 mil e 184 são resultantes de guias de exportação, dois milhões 961 mil 550 declaração fiscal (Royalties), 577 mil e 949 em credencial para transportação de inertes e 158 mil e 400 em alvarás diversos.
De acordo com a responsável, as receitas diminuíram consideravelmente, devido aos pedidos à situação financeira que se regista no país.
Indicou que no período em referência, a direcção da Indústria, Geologia e Minas efectuou a solicitação e emissão de 14 guias de amostras para igual número de empresas que se dedicam a exploração de recursos
minerais a nível da Huíla.
Estas guias, segundo explicou foram encaminhadas à China, Arábia Saudita, Portugal, Africa do Sul, Espanha, Alemanha e Dubai, na perspectiva de analisarem a qualidade do produto que Angola produz.
Na província existem mais 12 empresas de exploração de rochas ornamentais e mais de 70 unidades indústrias de grande e média dimensão.
Apesar da baixa de receitas, o sector industrial na província da Huíla continua a dar sinais de crescimento, fruto de vários investimentos que se têm feito nos últimos anos.
O processo de diversificação da economia nacional, continua a ser o factor impulsionardor dos investimentos feitos neste sector, que na sua maioria estão a ser feitos pelos nacionais.