O presidente da Associação Agro-pecuária, Comercial e Industrial da Huíla (AAPCIL), Paulo Gaspar , considerou que o estado da classe empresarial do país bastante afectada pelas consequências económica e financeira “acentuada”, está numa fase de tentativa de recuperação.
“O momento é muito difícil e complicado para o país, mas também acredito que irá chegar a altura em que a super dependência do petróleo vai acabar e os males que enfermam a nossa economia”, disse.
Por isso, defendeu a necessidade de se diversificação e recuperar a economia do país. “E isso faz-se com um diálogo aberto entre o governo e a classe empresarial, para junto traçarem os caminhos do desenvolvimento”, disse.
Contudo, garantiu, que a classe empresarial local está pronta para abraçar como parceiros sociais os vários projectos de desenvolvimento em curso na província”.
O responsável fez ainda lembrar que, a situação da classe na província está ser agravada com a escassez de divisas no mercado”.
“A classe precisa de divisas para importar bens de consumo, mas entendemos que é necessário que se faça alguma contenção nas divisas para serem alocadas em projectos sociais”.
Por isso, defendeu a necessidade de um maior controlo por parte do Banco Nacional de Angola (BNA) no que toca a atribuição de divisas.
“Por sua vez os bancos comerciais devem ser rigorosos na concessão de verbas e responsabilizar aqueles que fazem mau uso das verbas por si atribuídas”, sustentou Paulo Gaspar.