O director-geral do Instituto de Desenvolvimento Florestal (IDF), Tomás Pedro Caetano, perspectivou nesta segunda-feira, em Luanda, que o sector apícola angolano poderá alcançar uma produção de quatro toneladas de mel e seus derivados até 2010.

Em declarações à Angop, o responsável referiu que o actual controlo da produção de mel no país ainda é insuficiente, mas prometeu, a partir de 2010, melhor acompanhamento do ramo e melhores condições de extracção do produto.

“Nós para o programa apícola 2010 prevemos fazer um maior controlo dos produtores tradicionais que são os que mais se dedicam a extracção de mel e dotar-lhes de suficientes condições materiais para que possamos produzir cerca de quatro toneladas de mel e seus derivados nas províncias com maior potencial”, garantiu.

Segundo Tomás Caetano, o país possui grande potencial apícola nas províncias de Benguela, Huambo, Huila, Bié, Kuando Kubango, Moxico, Malanje, Lunda Norte e Lunda Sul, faltando apenas introduzir novas tecnologias para que se produza mel com qualidade, que poderá servir não só o mercado interno como o internacional.

O engenheiro florestal salientou que para uma adequada exploração do potencial apícola nacional, o IDF elabora, desde este ano, um Programa Nacional de Apicultura, visando o relançamento e a modernização do sector no actual contexto de paz e desenvolvimento económico.

O director-geral Instituto de Desenvolvimento Florestal adiantou que o projecto possuirá três componentes principais, designadamente, o aumento da produção de mel e cera, o aumento e a diversificação das fontes de receitas e das rendas das populações e a melhoraria da dieta alimentar.