As instituições do Executivo ligadas à realização do Comércio Externo devem passar por uma reforma estruturante no modo de agir e actuar perante os mercados, organismos multilaterais e bilaterais do comércio, em Luanda, o secretário de Estado deste pelouro, Amadeu Leitão Nunes.
O secretário de Estado para o Comércio Externo, que falava no acto de apresentação e divulgação dos estudos de mercado dos países vizinhos de Angola, nomeadamente, a República Democrática do Congo (RDC), Zâmbia e Namíbia, disse que a execução das políticas comerciais, em geral, e do comércio externo, em particular, devem igualmente passar pela correlação de forças e estreita cooperação entre a Apiex e as representações comerciais
de Angola no exterior.
Com os presentes estudos, afirmou, os exportadores angolanos têm em mão três importantes triunfos, nomeadamente, produtos com maior demanda nos mercados destes países, informação sobre procedimentos e logísticas no acto de exportação, assim como análise sobre a formação de preços
dos respectivos mercados.
Afirmou que os estudos efectuados pela União Europeia constituem ferramentas importantes na melhoria de informação sobre os mercados vizinhos de exportação para Angola, pois serão capazes de prestar serviços de qualidade às empresas nacionais e apoiar a diversificação da economia e das exportações em especial na região da SADC.
Amadeu Leitão Nunes disse que com os dados contidos nos estudos científicos, os consumidores e produtores terão a certeza de contar com um fornecimento seguro e na maior variedade de produtos acabados, bem como os exportadores contarão com os mercados mais abertos no exterior.
O dirigente augurou que os empresários angolanos tenham um acolhimento prático das oportunidades elencadas pelos estudos apresentados, em prol do aumento das exportações de Angola nestes mercados.
Referiu que o comércio não se cinge apenas em operações de compra e venda de mercadoria, mas deve abranger de forma transversal os vários sectores da economia nacional.
Os estudos sobre os mercados dos países vizinhos de Angola, apresentados e divulgados pela Agência para a Promoção de Investimento e Exportações de Angola (Apiex), foram feitos e financiados pela União Europeia (UE), que em 18 meses retratou, em duas brochuras, os dados sobre as trocas comerciais e as oportunidades competitivas entre Angola, RDC, Zâmbia e Namíbia, no período 2015/2016.
Por outro, as exportações dos produtos como a madeira, o marisco, cimento, as rochas ornamentais e bebidas para os países vizinhos de Angola tem registado, nos últimos tempos, um crescimento considerável, avaliado em cerca de 196 milhões de dólares nas trocas comerciais.
Além deste valor o facto prende-se com os cerca de 980 milhões de dólares que não estão registados nas estatísticas das trocas comerciais entre Angola, RDC, Zâmbia e Namíbia, segundo o Amadeu Leitão Nunes.
O embaixador da UE em Angola, Tomás Ulicny, afirmou que a apresentação dos resultados dos estudos de mercados destes países vizinhos tem por finalidade fornecer informações relevantes para alimentar a tomada de decisões de política económica e comercial.