O sector mineiro do país conta apenas com cerca de 5.700 mulheres no seu quadro de pessoal, representando cerca de 17 por cento da força de trabalho no país, número considerado bastante reduzido pelo ministro dos Recursos Minerais e Petróleos, Diamantino Azevedo.
O ministro, que falava nas jornadas técnico-científicas das mulheres angolanas em geociências realizadas recentemente, disse que este número está muito aquém das expectativas.
O governante garantiu às senhoras da Associação Angolana de Mulheres em Geociências (AAMG), que o Governo tudo está a fazer para aumentar a representação do género no ramo.
“No sector mineiro e dos petróleos, as mulheres ocupam apenas 17 por cento da força de trabalho, percentagem que nós consideramos baixa, e queremos todo um conjunto de realizações e acções pertinentes para o aumento dessa percentagem a todos os níveis.”, assegurou Diamantino Azevedo.
A mesma preocupação é partilhada pela AAMG, que segundo a sua presidente, Engrácia Gaspar, as mulheres deverão estar presentes nos mais variados ramos como dos petróleos e gás e aos minérios sólidos, assim como às instituições afins, como por exemplo mulheres biotécnicas que estão ligadas ao ensino, ciências e tecnologias.”
Nas Jornadas Técnico – Científicas realizadas em Luanda sob o Lema “O Impacto das Mulheres nas Geociências”, foi lançada a 1oª conferências internacional da A AMG a decorrer em Angola de 27 a 31 de Julho de 2020.