ADÉRITO VELOSO

Os principais supermercados da capital angolana registam um ligeiro abrandamento de clientes, resultantes das dificuldades financeiras motivadas pela crise económica mundial. Em consequência disso, a compra de bens e serviços para a quadra natalícia nos centros comerciais tem corrido timidamente, em comparação com os anos passados, situação avançada por proprietários de algumas lojas.

Este ano, comparado aos anos anteriores, o corre-corre para os supermercados por parte das famílias caiu em cerca de 20 a 25 por cento. Ainda assim os supermercados Jumbo, Maxi e Martal garantem que tudo está pronto para atender os clientes que querem comprar a sesta básica do Natal (bacalhau, batata, bolo-rei, mimos, carnes, mariscos, vinho, cerveja e gasosa.

Como se não bastasse, os consumidores questionados mostraram-se insatisfeitos pelos preços sazonais no mercado de bens e serviços e pedem aos responsáveis comerciais a definição de políticas capazes de impedir as oscilações do valor comercial por cada bem.

Por sua vez, os proprietários das lojas foram unânimes em afirmar que esta prática deve-se à oscilação cambial que se regista no mercado nacional e internacional.

A ceia de natal envolve muitas tradições familiares, algumas delas têm as suas próprias receitas para a ceia, outras comem apenas os pratos natalinos tradicionais. Por esta altura, as pessoas corriam de um lado para outro, nas lojas, supermercados na compra de presentes, brindes, cabazes e outros bens para que, no dia 25 e na passagem de ano, nada falte.

Hipermercado Jumbo pronto

O gerente de produtos de frescos do hipermercado Jumbo, Abel Oliveira, disse que apesar da sua instituição estar preparada para a quadra festiva, os serviços estão operacionais de tal maneira que o estabelecimento comercial tem condições para receber diariamente cinco mil clientes.

Disse que se tem a loja repleta com os produtos básicos e essenciais para que se passe o período da quadra festiva da melhor forma. Garantiu que média diária durante o ano todo ronda os cerca de três a quatro mil clientes. Em Dezembro, o número pode atingir os cinco mil clientes por dia. Considerou como sendo um número razoável e aceitável, na medida em que o mercado está mais servido de lojas.

Segundo Abel Oliveira, durante a quadra festiva o Jumbo realiza promoções de produtos sazonais e para este ano começa a partir do dia 14 de Dezembro.

Para esta quadra festiva o Jumbo oferece aos seus clientes uma gama de produtos alimentares, electrodomésticos, brinquedos e cabazes.

Maxi regista poucos clientes

Tal como noutros centros comerciais, a loja da rede de supermercados Maxi, localizada no município da Maianga, em Luanda, está a ressentir dos efeitos da crise económica e financeira mundial. Segundo o gerente da loja, Cláudio Carvalho, a afluência de clientes que o estabelecimento comercial recebia em período igual, não se compara com o actual.

Apesar da loja vender produtos a grosso, o gerente da loja Maxi, situada na Maianga, destacou que houve queda nas vendas na ordem dos cerca de 25 por cento.

Adiantou que nesta fase, em anos anteriores, a loja estaria a receber perto de 2 mil clientes por dia. Mas actualmente anda nos cerca de 750 clientes por dia. Os produtos comercializados na loja Maxi têm várias proveniências, destacando-se Portugal, Brasil, Argentina e África do Sul.

Os produtos são, sobretudo, provenientes de Portugal. O bacalhau, da Noruega. As carnes e alguns frescos são originários do Brasil e Argentina enquanto que a batata rena é importada da África do Sul.

Martal regista mais produtos em relação a quadra festiva passada

O administrador da Martal, Manuel Pinheiro, disse que as lojas da sociedade de comércio (Martal SARL) estão bem servidas no que toca à logística para o atendimento aos clientes. Fazendo uma comparação com o ano passado, Manuel Pinheiro destacou que esta evolução se deve ao rápido desalfandegamento dos produtos, facilitado pelo bom trabalho que as Alfândegas estão a realizar este ano.

Apesar da disponibilidade de produtos, ainda assim os supermercados da rede Martal não têm registado inúmeras enchentes. Esta situação não preocupa a administração da empresa.

Para esta quadra festiva, os cinco supermercados que compõe a rede comercial da Marta, em Luanda, esperam receber cerca de cinco mil clientes diariamente.

Preços

Com relação aos preços praticados pela Martal, o responsável da firma anunciou que houve um aumento ligeiro no custo dos mesmos motivado pela depreciação da moeda nacional bem como a oscilação que o dólar tem estado a registar fase ao Euro.

Esta depreciação tem consequências para os importadores, logo, sublinhou, teve-se que fazer uns pequenos reajustes nos preços dos produtos.

Leia mais sobre os preparativos do Natal, na edição imprensa do Jornal de Economia & Finanças, já nas bancas