Uma indústria têxtil vai ser construída nos próximos tempos, no Pólo Industrial de Malanje, no bairro do Kinguila, no âmbito de um projecto do grupo empresarial estrangeiro “Tsg Global Holdings”, avaliado em 150 milhões de dólares.
O projecto, que deve arrancar em finais deste ano, está voltado igualmente para o relançamento da produção de algodão no município do Quela, podendo gerar cerca de 50 mil empregos, de acordo com o presidente do Conselho de Administração do consórcio, Rubar Sandi, à saída da audiência com o governador Norberto dos Santos e a ministra da Indústria, Bernarda Martins.
Rubar Sandi, adiantou que o primeiro passo a ser dado tem a ver com a produção, transformação de algodão, bem como na fiação e tecidos.
O empresário disse que a previsão de investimento de 150 milhões de dólares tem a ver apenas a componente industrial, acrescentando que se for tido em conta a componente agrícola o valor pode duplicar.
O PCA do grupo empresarial “Tsg Global Holdings”, precisou que o prazo de execução do projecto depende da interacção que vai ser estabelecida com os diferentes departamentos ministeriais.
“Vamos fazer de nós o melhor e o mais rápido para no período de um ano termos a fábrica em funcionamento, garantiu Rubar Sandi.
O empresário Rubar Sandi realçou que a pretensão do grupo empresarial Tsg, é de fomento o sector da agricultura para alavancar o sector do emprego, assim como a nível da empresalização do angolanos, em Malanje.
Na província, os empresários dos quatro países estrangeiros visitam o pólo industrial, bem como visitam na segunda-feira o município de Cacuso onde tencionam igualmente investir na produção de tabaco, em função do seu potencial agrícola.