Um acordo de investimento privado que visa investir directamente no projecto Porto Caio, em Cabinda, foi assinado há dias entre a Unidade Técnica Para o Investimento Privado (UTIP) e a Capoinvest Limited.
Avaliado em cerca de 120 milhões de dólares, a assinatura deste contrato constitui uma etapa fundamental da economia angolana e vai ajudar a atrair mais investidores estrangeiros que procuram concretizar às oportunidades disponíveis significativas no porto e zonas associadas.
Em declarações à imprensa, o membro do Conselho de Administração da Capoinvest Limited, Jean-Claude de Morais Bastos, disse que o Governo angolano está a atrair investimentos estrangeiros ao estabelecer parcerias público-privadas como o Porto do Caio.
Em relação ao estado das obras daquele que será um dos maiores portos da região Austral de África, Jean Claud sublinhou que as mesmas avançam significativamente.
“Vamos trabalhar na fase “um” até 2018 e em 2019 entraremos na fase operativa”, disse.
Além do excelente acesso aos mercados globais e africanos, o projecto oferece às empresas locais e internacionais uma série de benefícios que vão permitir operações eficientes a custos atractivos, assim como a possibilidade de beneficiarem da zona franca e outras operações centralizadas”.
O comércio internacional de Angola depende inteiramente dos portos do país, responsáveis dos mais de 90 por cento das importações. Estas infra-estruturas são essenciais para os planos do país em se tornar um fornecedor regional para os países vizinhos sem litoral.