O agravamento em 93 por cento da taxa em produtos como o álcool, tabaco e outros considerados nocivos à saúde visa desencorajar a importação destes bens à luz das alterações feitas na Pauta Aduaneira, afirmou a directora da 4ª região tributária, Nara Djamila Júnior.
A responsável, que falava à margem do encontro de apresentação e esclarecimento das principais alterações operadas na Pauta Aduaneira versão 2017 referiu que, a mesma reduziu taxas em alguns produtos da cesta básica não produzidos no país e agravou noutros, de modo a proteger a Produção Nacional.
Nara Djamila Júnior afirmou que a nova versão da pauta é um instrumento da Política Fiscal, porque está também voltada para a alavancagem da indústria nacional e assegura algum proteccionismo ao mercado nacional, na diversificação económica, com a isenção de taxas aos fármacos e derivados e engenhos de dimensão mediana, tais como (máquinas para gelados) objectivando essencialmente, a criação de mais postos de trabalho.
Clarificou que a Pauta Aduaneira versão 2017 entra em vigor a partir de Agosto próximo e servirá igualmente de instrumento de política macroeconómica ao permitir o desenvolvimento das actividades dos importadores, exportadores e agentes económicos, e reforçar o objectivo do Executivo angolano na diversificação, ao trazer alterações inovadoras e soluções, em um momento que a economia apresenta sinais de recuperação.
Por outro lado, o presidente da Câmara de Comércio e Indústria de Benguela, Carlos Vasconcelos, manifestou a sua satisfação pelos incentivos contidos na nova Pauta Aduaneira, sendo uma clara demonstração que o executivo trabalha para a melhoria das expectativas em prol do empresariado nacional.