A organização estima que o volume de negócios da 27ª edição da Expo-Huíla 2019 atinja cerca de três milhões de dólares como resultado de negócios directos efectuados durante o evento e outros perspectivados para pós exposição.

Paulo Gaspar informou, à margem da gala de encerramento, entrega de Chiitas como prémios aos vencedores, que a Expo-Huíla contou com 280 expositores e registou uma média diária de três mil visitantes.
Sublinhou que a maior bolsa de negócios do Sul de Angola activou oportunidade de negócios futuros para as empresas dos segmentos da agricultura, comércio e serviços, aos potenciais clientes e estabeleceram entre si parcerias de negócios futuras.
“Sabemos que a cada edição os negócios começam sempre na Expo-Huíla e continuam depois da exposição. Estimamos que esta edição tenha activado e venha a movimentar no futuro cerca de três milhões de dólares”, disse.
Sublinhou que o balanço é também positivo pela qualidade das montras, nível de participação e de satisfação dos expositores dos ramos de produtos comércio, serviços, agricultura, industrial, transporte, banca, seguro e agricultura, e a afluência do público ao recinto.
A feira teve a participação de 12 dos 14 municípios da província da Huíla.
Paulo Gaspar sublinhou que os municípios do interior estão a despertar a atenção dos homens de negócios e investidores, cujo prémio da categoria foi vencido pelos Chibia.

AAPCIL propõe alargamento

A Expo-Huíla encerrou com indicadores animadores em termos de volume de negócios e participação dos expositores e de visitantes.
A direcção da Associação, Agropecuária, Comercial e Industrial da Huíla (AAPCIL), promotora do evento, tem a missão de adequar o espaço às exigências avalanche de expositores, sem perder a componente tradição que encerra a Expo-Huíla nas festividades da padroeira da cidade do Lubango.
O presidente da agremiação empresarial, Paulo Gaspar, anunciou a possibilidade do alargamento do espaço ou a mudança para outro na próxima edição da Expo-Huíla em 2020.
“Tivemos superlotação nos stands, por isso fomos obrigado a aumentar de forma improvisada alguns espaços. Foi um sucesso pelos dados numéricos produzidos nesta edição”, afirmou.
Paulo Gaspar disse que, a associação empresarial está em conversações com a administração municipal do Lubango para estudar a possibilidade dentro da lei administrativa de alargar o recinto para acolher mais empresas.