A 34ª edição da Feira Internacional de Luanda (FILDA) acontece no próximo mês de Julho entre os dias 10 e 14 sobe o lema “ Diversificar a economia, desenvolver o sector privado”, no parque de exposições de Luanda, localizado na Zona Económica Especial (ZEE), uma organização do Ministério da Economia e Planeamento em parceria com a empresa Eventos Arena.
O evento pretende atrair investidores nacionais e internacionais e incentivar o desenvolvimento económico da região e do país, segundo fez saber Ana Celeste Baptista da organização. A responsável do Gabinete de Comunicação Institucional e Imprensa do Ministério da Economia e Planeamento anunciou que já estão inscritos 200 dos 500 expositores esperados entre nacionais e estrangeiros que operam ou têm interesse no mercado angolano.
A feira pretende, ainda, promover e desenvolver o potencial económico e industrial do país, facilitando, cada vez mais, investimentos capazes de fomentar o progresso sustentado e reunir agentes económicos e sociais valorizando o tecido empresarial angolano.
O JE apurou que a feira terá um orçamento de mais de 477 milhões de kwanzas. O certame acontece num momento em que o Executivo está a realizar reformas tendentes à melhoria do ambiente de negócios, em particular do quadro regulatório e institucional do investimento privado, segundo Ana Celeste durante uma conferência de imprensa.
Adiantou, que a escolha da Zona Económica Especial resulta do facto de o local ter um espaço amplo e ser uma área concebida com o objectivo de atrair investidores nacionais e internacionais. Aponta ainda o facto de estar próximo às centralidades do Zango, Kilamba e Sequele, que tem acesso privilegiado pelas vias de ligação à Luanda, via expressa, bem como a localização próxima de hotéis e serviços, com as condições necessárias para acolher as entidades nacionais e estrangeiras.
Já para Bruno Albernaz da Arena esta iniciativa de grande projecção internacional tem sido, ao longo de mais de 33 anos consecutivos, considerada como uma das maiores portas de entrada de investimento directo estrangeiro, bem como uma das principais alavancas de promoção do país no que se refere a produção nacional.
A FILDA vai dinamizar vários sector produtivos, das exportações e do estabelecimento de parcerias estratégicas e comerciais.