Cobjectivo de diversificar, expandir e promover a venda de terrenos e serviços às empresas interessadas, o Pólo de Desenvolvimento Industrial soma a segue na criação de condições para um ambiente de negócio mais atractivo nesta zona de produção industrial, que caminha rumo à diversificação, por isso, siga a entrevista com o seu PCA Miguel Luís.

Como é que se pode definir o Pólo de Desenvolvimento Industrial de Viana?
O Pólo de Desenvolvimento Industrial de Viana S.A pode ser definido como uma sociedade comercial anónima, tutelado pelo Ministério da Indústria, constituído ao abrigo do Decreto Executivo nº41/98, de 14 de Agosto de 1998, publicado no Diário da República nº75 do mesmo ano, tendo como base de constituição as resoluções 1/98 de 10 de Março e 4/98 de 27 de Março da Comissão Permanente do Conselho de Ministros.

Qual é o objectivo do Pólo Desenvolvimento Industrial de Viana?
Esta infra-estrutura tem como objectivo social a criação, gestão e promoção do Pólo de Desenvolvimento Industrial de Viana, na província de Luanda, enquanto instrumento de diversificação e expansão industrial, assim como a promoção e comercialização de terrenos locais e serviços, selecção e convite às empresas interessadas em implementar-se no Pólo de Desenvolvimento Industrial de Viana, bem como a gestão de serviços próprios deste tipo de instalações.

De que forma está distribuído o Pólo de Desenvolvimento Industrial de Viana?
O Pólo de Desenvolvimento Industrial de Viana compreende uma área total de 815 lotes de terrenos, distribuídos em três (3) zonas de desenvolvimento da actividade económica, nomeadamente a Zona (A), que parte das instalações da Teixeira Duarte até O Candando de Viana. A Zona (B), que parte do Cemitério de Viana até a via Expressa e por último a Zona (C), que integra o Porto Seco, está reservado maioritariamente por projectos comerciais e de prestação de serviços. Face às suas características, a Zona (C) está em curso um processo de reorganização profunda a nível territorial. Já as zonas (A) e (B) estão registados 422 projectos concluídos estando a laborar neste momento 274 projectos.

O actual estado do Pólo de Desenvolvimento Industrial de Viana lhe satisfaz enquanto gestor principal?
Obviamente que não! Por várias razões. Devido à crise económica resultante do preço do petróleo no mercado internacional, o país tem vindo a registar nos últimos anos, o encerramento massivo de muitas unidades industriais, bem como o abrandamento de outras, que reduziram em grande medida a sua produção, uma situação que tem vindo a melhorar tendo como base as políticas económicas que o Estado tem vindo a implementar no apoio às empresas. Neste quesito, o Pólo de Desenvolvimento Industrial de Viana tem vindo a desempenhar um papel impulsionador na transmissão das preocupações e problemas dos industriais ao Ministério de tutela e outras entidades visando a solução dos vários desafios que os investidores enfrentam. E esperamos que a situação venha a melhorar definitivamente, porque temos consciência que isto geraria impacto económico e social directos à sociedade.

Quais são as condições necessárias para um empresário aceder ao Pólo Industrial de Viana?
O procedimento está completamente simplificado. O primeiro requisito passa por apresentar um projecto de caris industrial. De seguida a documentação legal da empresa, planta ou “lay aut” do projecto para se aferir a sua conformidade técnica. Apenas isso. Uma vez aprovado, segue-se a identificação do lote de terreno no perímetro do Pólo Industrial de Viana, pelos serviços técnicos para se instalar a infra-estrutura. De recordar que não tem sido fácil obter um espaço a breve trecho para se desenvolver um determinado projecto, pois, apesar do elevado número de terrenos livres sem qualquer projecto tem sido difícil pois são titulados por pessoas jurídicas, que não têm interesse ou capacidade para investir, tornando difícil o trabalho da entidade gestora do projecto. Há muitos espaços em estado de pleno abandono. Porém, estão em curso um conjunto de medidas destinadas a reverter o actual quadro. Na medida em que o Estado vai desocupando os terrenos vai criar condições de distribuí-los aos investidores com capacidade para explorar de forma efectiva estes espaços de modo a gerar emprego, renda, crescimento e desenvolvimento.

Qual é o volume de negócios mínimo exigido para que um investidor possa ceder ao Pólo Industrial de Viana?
Não existe um valor mínimo exigido para ter acesso ao Pólo de Desenvolvimento Industrial de Viana. Desde, que o projecto seja industrial e viável.


Qual é o grau de operacionalidade das unidades instaladas no Pólo Industrial de Viana?
A conjuntura económica do país tem vindo a reduzir a velocidade de muitos projectos industriais. Neste momento a situação das empresas do sector é muito volátil, o que torna difícil precisar em termos percentuais a operacionalidade de cada uma delas. Porém, existem dados relativos à produção diária destas unidades e que são contabilizados pelo Gabinete de Estudos, Planeamento e Estatística (GEPE), do Ministério da Indústria a partir da plataforma informática própria. No entanto podemos garantir, que uma cifra considerável está a gerar emprego e bem estar para muitos angolanos.

Quais são os projectos em curso para dinamizar o Pólo Industrial de Viana?
Para se dinamizar o Pólo de Desenvolvimento Industrial de Viana estão em curso três projectos fundamentais nos domínios da energia, água e infra-estruturas. Quanto ao sector energético podemos assegurar a conclusão da subestação eléctrica do Pólo com uma capacidade para 100 megawatts de energia que estão a ser transportados, distribuídos para as diferentes unidades industriais de acordo as necessidades de consumo interno. Um esforço desenvolvido de modo a mitigar as dificuldades dos investidores neste segmento, pois a capacidade anterior era ínfima para a demanda.
Em relação a distribuição de água nas unidades industriais está em curso um estudo para instalação dos ramais (tubos) de distribuição da água potável a nível do perímetro. Na realidade este constitui o nosso principal desafio para 2019. Depois da energia, queremos ver resolvida a questão da água. Estamos a discutir com a Epal, com o apoio dos investidores do sector. Trata-se de um projecto orçado em mais de um milhão de dólares.
Quanto a infra-estrutura rodoviária o desafio passa para melhoria na iluminação pública, um desafio, que ainda não temos previsão exacta para começarmos porque envolve custos muito altos. Já temos um orçamento e estudos muito lançados sobre o assunto, porém faltam recursos para o efeito.

Quais são as principais unidades de produção de referência no Pólo industrial de Viana?
No Pólo industrial de Viana, temos várias unidades de referência em termos de produção de bens e serviços. No entanto, o destaque recai para as fábricas de materiais de construção civil, nomeadamente tubos hidráulicos, chapas, produtos derivados de cimento, tintas e similares. Segue-se o sector de mobília, vestuário, siderurgia, processamento alimentar, gás, incluindo medicinal, papel, papelão e fraldas descartáveis. Para breve, teremos a construção da fábrica de embalagens diversas, massa e óleo alimentar e farinha de trigo.

Quais são os principais desafios do Pólo Industrial de Viana actualmente?
No topo das preocupações constam as infra-estruturas de comunicação, energia e água. E seguem-se as outras as questões. No entanto, acreditamos que mais que incentivos fiscais e outras facilidades os empresários estão ansiosos em ver a situação das infra-estruturas seleccionada. Para mitigar este problema, essencialmente das infra-estruturas, temos em funcionamento uma brigada de terraplanagem, para melhorar de forma constante os acessos. Para mitigar as dificuldades no acesso à água potável, contamos com uma girafa que abastece regularmente as unidades de produção em toda o perímetro do pólo. Estamos cientes que é uma situação paliativa no entanto estamos a trabalhar para mudar o quadro. E os custos operacionais deste trabalho por exemplo rondam os 300 milhões de kwanzas por ano.