A moeda chinesa, o yuan, também conhecida como renminbi está desvalorizada nos mercados internacionais, mas mesmo assim, destrona o kwanza e perde com o dólar e euro.
Por exemplo, uma nota de 1 RMB, abreviatura do yuan, equivale a 50 kwanzas e euros 0.19 e 0.14 em dólares, o que implica dizer que a moeda norte-americana está cotada mais abaixo em relação a europeia.
A China desvalorizou a sua moeda ao mais baixo patamar dos últimos 11 anos, poucos dias depois de os EUA anunciarem que, até Setembro próximo, iria impor tarifas de 10 por cento sobre usd 300 mil milhões em produtos exportados pelos chineses.
O sistema financeiro da China é firmemente controlado pelo Governo, dando aos líderes do país um grande grau de controlo sobre quanto vale o yuan. As autoridades estabelecem uma taxa de referência diária para o yuan e permitem que o seu valor se mova a um patamar muito pequeno acima ou abaixo desse nível nos mercados de câmbio.
Autoridades chinesas dizem que a actividade comercial de cada dia ajuda a determinar o valor que eles definem para o yuan no dia seguinte. O câmbio na China sofre constantemente oscilações para baixo e para cima.
Na segunda-feira, 5 de Agosto, o Banco Central chinês fixou o dólar em 6,9225. No mundo do câmbio, um número maior significa uma moeda mais fraca. Esta semana, a moeda chinesa continou a desvalorizar-se, fixando-se em 7,9 euros e 7,3 dólares ( a moeda americana valorizou-se em relação há duas semanas).
A moeda nacional (kwanza) é a que menos peso tem no comércio internacional. Por exemplo, em 10.000 RMB o kwanza representa 508.876 e o mesmo valor em euros é de 3.974 mil e em dólares 3.583. Em 780 RMB é convertido a kz 39.692 enquanto 200 RMB custa kz 10.177.
A moeda chinesa também não tem peso perante o euro e dólar. Com variações, usd 1 equivale a 7.03 RMB, ao passo que em euros um pouco mais acima, estando em RMB 780.778 a 100 euros.
Os entendidos consideram que desde o ano passado, o Governo chinês tentou incentivar a economia, fazendo com que o sector bancário controlado pelo Estado, aumentasse os empréstimos, tornando o dinheiro mais disponível.

Trajecto “Faixa e Rota”

Construção de alguns grandes corredores económicos

. Grande corredor Económico China-Mongólia-Rússia,
. Nova Grande ponte Continental Ásia-Europa,
. Grande corredor Económico China-Ásia Central-Ásia-Oeste,
. Grande corredor Económico China-Indochina Península,
. Grande corredor Económico China-Paquistão,
. Grande corredor Económico Bangladesh, China, Índia e Mianmar .

Grande corredor Económico China-Mongólia-Rússia

. As três partes fortaleceram a construção de interconexões, como ferrovias e rodovias, e promoverão desembaraço aduaneiro e facilitação de transporte.

Nova Grande ponte Continental Ásia-Europa

. Tronco de transporte ferroviário da cidade de Lianyungang, província de Jiangsu, China, ao porto de Roterdão, Países Baixos.

Grande Corredor Económico
China-Ásia Central - Ásia-Oeste

. Chegando da Região Autónoma de Xinjiang,  China ao Golfo Pérsico, à costa do Mediterrâneo e à Península Arábica, envolvendo principalmente cinco países da Ásia Central (Cazaquistão, Quirguistão, Tajiquistão, Uzbequistão, Turcomenistão), além dos países como Irã, e Turquia. Ásia Ocidental, Arábia Saudita, Omã, Emirados Árabes Unidos, Kuwait, Qatar e Bahrein

Grande corredor Económico
 China-Indochina Península

. A partir de Nanning, Guangxi, China e Kunming, Yunnan, atravessando de Cingapura, Vietnam, Laos, Cambodja, Tailândia, Malásia e outros países que poderiam passar por Península Indochina, através de Grande Ponte Continental seja possível ligar entre a China com a Península Indo-chinesa e os países da União do Sudeste Asiático ASEAN.