O primeiro dia da Expo-Indústria, na quarta-feira, registou a presença de cerca de 3.600 visitantes, o que se prevê um aumento do número registado na edição passada da maior montra da indústria nacional, aberta, até amanhã, na Zona Económica Especial Luanda-Bengo, em Viana. A exposição recebe cerca de 300 expositores, entre nacionais e estrangeiros, e ocupa um espaço de 28 mil metros quadrados. O número alcançado no primeiro dia deveu-se à ida ao local de um expressivo número de convidados, que estiveram no momento em que o Presidente João Lourenço prestigiou a cerimónia de abertura. João Lourenço efectuou uma visita guiada, por mais de duas horas, à maioria dos stands, em cujos espaços ouviu de expositores uma breve resenha do processo de produção. Depois de o Presidente ter abandonado o local por volta das 13h00, o movimento abrandou, observando-se um número reduzido de pessoas que percorriam as áreas de exposição. Um dos expositores que mais atenção atraiu é a empresa Carrinho Logística e Distribuição, que dispõe de uma rede de lojas dedicada à venda de produtos, cujo stand registou a presença de um número considerável de visitantes que se organizaram em fila para adquirir, de forma gratuita, produtos variados, como arroz, feijão, massa alimentar, açúcar e bolacha. Relativamente ao número de visitantes, os dados foram fornecidos por uma fonte da empresa Eventos Arena, parceira do Ministério da Indústria na realização da Expo-Indústria, e são resultantes da quantidade de bilhetes comercializados e de convites endereçados. Ontem, segundo dia, estiveram quatro mil visitantes, uma informação prestada ao JE pela mesma fonte da Eventos Arena, que disse ser pretensão da organização receber mais de 20 mil visitantes, contra os cerca de 15 mil da edição de 2018. Os bilhetes estão à venda à entrada do local, ao preço de mil kwanzas cada um. Estão isentos do pagamento estudantes universitários, desde que apresentem o cartão de estudante e crianças de até aos 14 anos, acompanhadas por adultos. A Expo-Indústria é considerada a maior montra da indústria em Angola e visa estimular um maior investimento na indústria nacional, no âmbito da estratégia de diversificação da economia nacional, da substituição das importações, do aumento das exportações e da redução do desemprego e da pobreza.