Angola e Rwanda vão ter ligações aéreas directas ainda no primeiro semestre deste ano, anunciaram ontem, em Luanda, os Presidentes dos dois países, que lançaram também as bases para a cooperação agrícola, turismo, segurança e tecnologias da informação.
Numa conferência de imprensa conjunta, no Palácio Presidencial, os Chefes de Estado angolano, João Lourenço, e ruandês, Paul Kagame, reafirmaram a vontade de reforçar a cooperação nas quatro áreas, mas salientaram que “nada está fechado” e que as duas partes vão analisar quais os domínios em que ambos podem beneficiar com o investimento mútuo.
Na intervenção inicial na conferência de imprensa, o Chefe de Estado angolano indicou que Luanda e Kigali estão desde 2018 a reforçar as relações políticas e diplomáticas, sobretudo depois de Angola instalar uma embaixada na capital ruandesa (foi nomeado o diplomata Eduardo Leiró Octávio), vários anos depois de o Rwanda abrir uma missão diplomática na capital angolana.

Rumo de cooperação

João Lourenço salientou que os dois países manifestaram o desejo de aprofundar a cooperação na agricultura, turismo, tecnologias de comunicação e informação e, sobretudo, na área da segurança, tendo em conta as comunidades regionais em que estão inseridos- Grandes Lagos e África Austral.
A última questão foi, aliás, abordada com maior profundidade por Lourenço e Kagame, na sequência do acordo de cooperação em matéria de segurança e ordem pública assinado pelos dois países em Fevereiro último, na sequência da visita de dois dias a Angola do ministro da Justiça rwandês, Johnston Busiyngye, igualmente Procurador-Geral da República do Rwanda.
Kagame, que esteve em Luanda desde quarta-feira, dia em que se reuniu em privado com João Lourenço, disse que Angola e o Rwanda vão avançar com a cooperação em todas as áreas e sem nenhuma limitação, por isso não teve qualquer programa oficial, tendo sido acompanhado por uma delegação ministerial, que incluiu os ministros da Defesa e dos Negócios Estrangeiros.
Os dois países são membros da Conferência Internacional da Região dos Grandes Lagos, plataforma multilateral que tem servido para a promoção da paz e segurança na sub-região.
Tanto Lourenço como Kagame salientaram a importância de os dois países juntarem esforços na resolução dos problemas comuns na região dos Grandes Lagos.
Na área das Tecnologias de Informação e Copmunicação (TIC), em que o Rwanda tem sido um dos maiores países africanos na utilização das novas tecnologias, de que Kagame é um confesso adepto, João Lourenço indicou que esse domínio irá ser uma das apostas de Angola, uma vez que “os bons exemplos devem ser aprendidos e seguidos”.
Paul Kagame regressou ontem a Kigali.