Gás e Biocombustíveis (ANPG), a BP Angola e parceiros rubricaram, esta semana, em Luanda, um acordo de financiamento adicional de 6.1 milhões de dólares norte-americanos, para desminar 135 hectares na província de Benguela.
Trata-se de um projecto a ser efectivado pela Organização Não-Governamental (ONG) internacional “Halo Truste”.
O financiamento, que vai beneficiar o projecto “100 mulheres na Desminagem”, lançado em 2017, permitirá empregar 129 pessoas, das quais 100 do sexo feminino, residentes em comunidades afectadas por minas.
A ideia é que o financiamento sirva, também, para formar mulheres em técnicas de saúde, mecânica, logística, finanças e tecnologias de informação.
O montante resulta de uma contribuição na ordem de 60 por cento de fundos próprios da BP (equivalente a usd 3.6 milhões).
No quadro da mesma iniciativa, o Estado angolano contribuiu com 40 por cento de forma equitativa, por via dos Blocos 18 e 31 (num total de usd 2.6 milhões).
No evento, o presidente regional da BP Angola, Stephen Willis, destacou o envolvimento das mulheres rurais no projecto, bem como sublinhou que o acordo visa eliminar as minas na província de Benguela até 2023 e permitir que as áreas minadas estejam prontas para a agricultura.
A administradora da ANPG, Natasha Massano, reiterou a participação do sector no reforço dos investimentos de responsabilidade social, previstos no contrato de partilha de produção, além de contribuir para a estabilidade e desenvolvimento social.
Para o director do projecto da “Halo Trust”, Ralph Legg, o entendimento vai permitir limpar 53 por cento de campos ainda minados em Benguela.
O assessor do Comissão Nacional Interministerial de Desminagem e Ajuda Humanitária (CNIDAH), Adriano Gonçalves, destacou a contribuição desses parceiros do Estado, informando que o país ainda possui 90 milhões de metros quadrados de áreas com minas.
Segundo o responsável, para se limpar este espaço, o Governo precisa de cerca de usd 200 milhões.
O Governo de Angola assinou um acordo do Tratado de Ottawa sobre minas terrestres, em que assumiu o compromisso de eliminar as minas no país até 2025.