Sem ser a província que mais recebe na Proposta de OGE 2020, o Cuanza Norte tem a média mais alta em termos de dotação orçamental por pessoa.
O valor de 94,9 mil milhões de kwanzas (0,59 por cento) representa uma subida de 611,07 milhões em relação aos 94,3 mil milhões da dotação de 2019 (0,91%). Divido aos 427.971 populares, de acordo com o Censo de 2014, dá a cada um dos habitantes da província o valor anual de 221 mil kwanzas atribuídos pelo Orçamento Geral de Estado de 2020.
Nas posições seguintes surgem os habitantes das províncias do Bié, com 188 mil, e Bengo, com 153 mil kwanzas. Estas mesmas províncias, em termos globais, na proposta de OGE 2020 têm 251,8 mil milhões (1,58%) e 54 mil milhões (0,34), no capítulo das despesas por locais. Em 2019, elas beneficiaram de 61,8 mil milhões de kwanzas (0,59%), para o Bié, e 40,8 mil milhões (0,39), para o Bengo. Em termos de diferencial, na proposta do próximo ano, cada uma viu subir a fatia orçamental para 190 mil milhões (a maior subida no global que foi para o Bié) e 13,2 mil milhões de kwanzas, respectivamente.
Luanda, a capital do país, tem a maior fatia orçamental, fixada em 467,7 mil milhões de kwanzas (2,93 por cento), e superou em 116,1 mil milhões a fatia de 2019, ano em que beneficiou de 351,5 mil milhões (3,38) do total.
No global, excepção feita a província do Zaire que viu reduzida em 1,5 mil milhões de kwanzas a sua dotação orçamental, todas as demais províncias subiram as tranches de que beneficiaram no orçamento ainda em execução, e em 2020 beneficiam duplamente também do facto de a verba geral ter sofrido um aumento de mais de
4,5 biliões de kwanzas.