O presidente do Conselho de Administração da Empresa de Águas do Lobito, Henriques Kalengue, disse em declarações ao JE, que as contas da empresa que dirige foram aprovadas com reservas pelo facto de não ter o património registado em nome da empresa. Segundo contou, até à presente data, o património da empresa resultante do investimento público continua registado em nome do Estado ao invés do da empresa, pelo que, decorrem os trâmites legais para se transferirem estes activos do Estado para a Empresa de Águas do Lobito. Questionado sobre o corte de subsídios anunciado pelo Ministério das Finanças, o gestor disse não constituir um problema, mas sim um desafio que conheceu parte da solução com o reajuste do tarifário da água e energia. No entanto, o desafio reside na desvalorização da moeda que o mercado tem vindo a registar nos últimos dias, pois, boa parte dos produtos para o tratamento da água são importados. Por iss,o assegura que a empresa pretende atingir a sua capacidade instalada de 90 mil clientes em 2022. Actualmente, a sua demanda, ronda os 40 mil clientes.

Unicargas
Por sua vez, o director financeiro da UNICARGAS, Hélder Pitra, disse que o recuo que registou na aprovação de contas deve-se à informação financeira. A contabilidade da empresa apresenta menos 800 milhões de kwanzas em relação ao valor registado pelo Porto de Luanda. A administração promete esclarecer esta diferença encontrada até ao final do ano.

CFM
O administrador financeiro do Caminho de Ferro de Moçâmedes, António Conceição, disse que a empresa conta actualmente com 27 locomotivas (cabeça) e mais de 90 vagões (carruagens) sem qualquer documento. Segundo contou, a ausência de livretes não atribuídos pelo Ministério dos Transportes que adquiriu os equipamentos levou as contas da empresa a aprovação com reservas. Questionado sobre o corte dos subsídios anunciados pelo Ministério das Finanças, o gestor afirmou que caso se efective será obrigado a despedir funcionários, pois, neste ramal, os custos são superiores em relação às receitas. Segundo disse, a facturação anual ronda os kz 600 milhões, contra um bilião e 300 milhões de kwanzas de custos.

Fontes de receitas
O gestor aproveitou igualmente a ocasião para dizer que 82 por cento das receitas que recebe dos subsídios são direccionados ao asseguramento dos salários dos 1.500 trabalhadores da empresa. Se se retirarem os subsídios será obrigado a despedir funcionários.
Entre as principais fontes de receita nesta linha, consta a transportação de 40 por cento do granito da Huíla para o Namibe. O negócio de gasolina do litoral para o interior, na ordem dos 600 mil metros cúbicos, registou uma baixa significativa face à mudança de estratégia da Sonangol, que optou por caminhões cisternas nos últimos meses, violando os convénios
estabelecidos pelo Estado.

ACTIVOS DO ESTADO

O universo do Sector Empresarial Público é composto por 86 empresas, sendo 71 empresas públicas, isto é, em que o Estado angolano é o único accionista e 10 do domínio público em que o Estado angolano é accionista maioritário e cinco com participações minoritárias, que não estão submetidas ao regime de apresentação de contas nos termos da Lei de Bases do Sector Empresarial Público (LBSEP).
No exercício económico de 2018, o valor global dos activos das empresas afectas ao Ministério da Agricultura e Florestas ascende aos 9.261 mil milhões de kwanzas, representando uma diminuição de 7% relativamente ao exercício económico transacto.
Setenta e oito por cento dos activos são detidos pela Aldeia Nova. O valor global dos proveitos operacionais fixou-se em 7.903 mil milhões de kwanzas e representa um aumento de 8%.
O resultado líquido global é negativo, representando um prejuízo total de 1.753 mil milhões de kwanzas.
No que toca ao Ministério das Telecomunicações e Tecnologias de Informação, o valor global dos activos estão fixados em 138.289 mil milhões de kwanzas, representando uma diminuição de 6,5% relativamente ao exercício transacto.
Já no Ministério dos Transporte, o valor activos atingiram os 1.785 milhões de kwanzas,  representando  um aumento de 212% relativamente ao exercício de 2017. Mais de 78% dos activos são detidos pelos Caminhos de Ferro de Benguela.
Quanto ao Ministério da Energia e Águas, os activos estão fixados em 2.202.859 mil milhões de kwanzas um aumento de 31%. Mais de 87% dos activos são detidos pelo subsector da energia.
O valor global dos seus proveitos operacionais fixou-se em 474.223 mil milhões de kwanzas e representa um aumento de 14% relativamente àqueles realizados no exercício transacto. No sector de Finanças, da análise efectuada à informação reportada nas demonstrações financeiras das empresas resultam num valor global de 2.552 mil milhões de activos, um aumento de 6,2%.
O resultado líquido global é positivo, ascendeu a 40.536 mil milhões de kwanzas e representa uma variação positiva de 150%, face ao realizado no exercício anterior. Importa notar que o BPC reportou um resultado líquido negativo.