Investidores, instituições bancárias e responsáveis do sector mineiro estão a participar desde ontem, na cidade do Lubango, capital da Huíla, na 1ª Conferência Internacional e Exposição sobre Rochas Ornamentais, a maior “commodity” de exportação da província.
O encontro, que está a ser organizado pelo Ministério dos Recursos Minerais e Petróleos, sob o lema: “Rochas ornamentais, um sector em crescimento”, conta com convidados da Europa e Ásia e debate assuntos ligados à nova cartografia geológica do Sul de Angola – potencialidades em rochas ornamentais e oportunidades de investimento mineiro para estrangeiros e nacionais.
Segundo uma nota do Ministério do Ministério dos Recursos Minerais e Petróleos a que a Angop teve acesso, no Lubango, o objectivo é incentivar investidores do sub-sector de rochas ornamentais, bem como fornecedores de equipamentos e materiais aplicáveis à extracção a investirem em Angola, com vista a viabilizar o potencial geológico e mineiro do país.
O encontro busca igualmente superar as dificuldades de aprovisionamento logístico aos operadores mineiros, pelo que serão apresentadas novas áreas para investimento e outras oportunidades de negócio, como arquitectura interna e externa, calcetamento de estradas e passeios, fabrico e comercialização de equipamentos de suporte à extracção mineira e transformação de rochas.
A produção de rochas ornamentais na província da Huíla prevê-se que aumente de 22.450 metros cúbicos por ano, para 93.743, até 2024, com o lançamento de nove novas mineradoras, com a geração de 993 novos empregos.
Actualmente, a província da Huíla possui 28 empresas de recursos minerais, nomeadamente de rochas ornamentais (16), água mineral (cinco), britadeiras (duas), areeiro, material de cerâmica, agro-mineral, nióbio e ouro (uma para cada), localizadas nos municípios dos Gambos, Chibia, Quipungo, Lubango, Humpata, Quilengues e Chipindo.