Numa altura em que Angola pôs em marcha um plano para a diversificação económica, a Suécia, conhecida pela sua economia orientada para exportação, pelas suas empresas emergentes e por ser pioneira no pensamento sustentável, pretende contribuir apostando em sectores como transportes, infra-estruturas, energia e tecnologia de informação.
O facto foi revelado esta semana pelo embaixador deste país nórdico, Lennart Killander Larsson à margem da 33ª edição da Feira Internacional de Luanda (FILDA) que decorre até domingo próximo na Baía de Luanda, sob o lema “Diversificar a economia e potenciar a produção nacional, visando uma Angola auto-suficiente e exportadora”.
O diplomata considera oportuna a realização do evento uma vez que há um leque de empresas suecas interessadas em criar parceiras com firmas locais nos vários domínios.
Na ocasião, a ministra das Pescas, Victória de Barros Neto, realçou a importância do lema do evento desta edição considerando como sendo importante e actual, acrescentando que a auto-sustentabilidade é fundamental para
a redução das importações.
Assegurou ainda ser urgente apostar na produção nacional, de forma a criar excedentes para a exportação e a economia do mar, a também chamada economia azul, pois ela joga um papel fundamental para a economia local.
A Unitel aproveitou o certame para apresentar uma aplicação denominada “App Unitel”, que permite aos clientes gerir as suas contas sem precisarem de se deslocar fisicamente a uma loja. À semelhança desta operadora, outras empresas apresentam o melhor do seu potencial produtivo aos visitantes.