A Estrada Nacional 100, que liga Luanda, Cuanza Sul e Benguela, observou, na semana finda, um movimento incomum face à visita de trabalho de dois dias do Presidente da República à cidade do Sumbe.
As redes sociais não quiseram deixar passar despercebido o acontecimento e sinalizaram a viagem por estrada da capital Luanda ao Sumbe, mais de 300 quilómetros, dos ministros através do autocarro da operadora pública Tcul.
O visitante Abreu Lino reagiu ao facto, admitindo ser a primeira vez e apelou a que tal se repita, sobretudo em distâncias pequenas, como pode ser as visitas a efectuarem-se às províncias do Cuanza Norte e do Bengo.
Já Prócoro Diamantino disse esta-se a fazer história e a construir uma nova Angola, de verdade. Para ele, é um exemplo que vem de cima e só prova que há trabalho de facto.
Com troços, na sua maioria, recuperados a EN100 é das que foi intervencionada pelo Governo nos últimos dois anos, faltando, neste momento, por concluir traçados na ligação Sumbe-Lobito. O Ministério da Construção e Obras Públicas garante trabalhar para ligar todas as capitais de províncias.
Para o caso do trajecto Luanda -Sumbe há ainda um ou outro buraco, em zonas não intervencionadas por estarem em estado aceitável, e que resultam do trafégo.
A ligação Luanda-Cuanza Sul (Sumbe) por estrada faz-se em cerca de três horas, quando até meados de 2017 era preciso mais de cinco horas, devido ao mau-estado do tapete asfáltico.
Neste momento, foi possível constatar ainda a execução de alguns trabalhos na via, sobretudo na ligação Porto Amboím-Sumbe, ponto em que se prevê, no futuro, a intervenção na ponte sobre o rio Keve, pois a actual infra-estrutura apresenta fissuras e um avançado estado de degradação.