O número médio de turistas que a província do Cuanza Norte acolhe ainda é irrisório, devido as poucas unidades hoteleiras em condições para acomodar os visitantes.
Até Julho, foram contabilizados cerca de 350 turistas que visitaram Ndalatando, capital da província, e aproximadamente 500 chegaram à velha cidade do Dondo.
Segundo o director do Gabinete provincial da Cultura, Turismo, Juventude e Desportos, Paulo Toneth, a cidade do Dondo, no município de Cambambe, é o local mais visitado por turistas de diferentes nacionalidades, mesmo angolanos provenientes de outras regiões do país, devido os vários locais históricos que possui, aliada a presença do rio Kwanza, com a praça da alimentação ao lado para degustarem os diferentes tipos de peixe, com realce para o cacusso, mussolo e a taínha.
Outros atractivos turísticos a nível do município de Cambambe são a barragem de Cambambe e a vila de Massangano que começa a ganhar corpo depois de algumas visitas de turistas americanos, brasileiros, britânicos e sul-africanos, para além de pesquisadores da National Geography.
Deste modo, Paulo Toneth reforça o convite aos agentes do turismo e homens de negócio para investirem no Cuanza Norte, de modo a potenciar o turismo interno e não só, sendo que a mesma dispõe de todas as condições favoráveis para esse tipo de negócio.

Aproveitamento
A maior parte dos locais turísticos da província embora pouco conhecidos, estão todos identificados, particularmente os localizados em Ndalatando, Cambambe e Lucala.
No Cuanza Norte, segundo alguns interlucurores, embora nota-se timidamente a presença de turistas estrangeiros, é mais notório o turismo de serviço, interno, lazer e negócio feito mairotariamente por pessoas singulares residentes na região.
Manuel Fontoura em Ndalatando