A publicidade em jornais, no ano 2018, arrecadou uma soma de kz 4,9 mil milhões.Tal cifra representa 25 por cento da quota total, de acordo com o Anuário de Média & Publicidade (AMP) da Marktest. Tal valor era, contudo, 5 por cento abaixo dos kz 5,1 mil milhões que foram arrecadados em 2017.
No geral, em 2018, investiu-se em publicidade kz 20,07 mil milhões, menos 10 por cento que em 2017, período em que se aplicaram kz 22,41 mil milhões.
As pesquisas da Marktest dão força, por amostra, a uma relação directa entre a audiência e a publicidade. Isso faz acreditar que a primeira influencia em grande medida na segunda.
Nesse particular (audiência), o estudo da Marktest “Anuário de Media e Publicidade/2018 - AMP” sobre os jornais económicos diz que, em Abril, o Expansão e o Mercado dividiram a preferência dos leitores com um registo de 0,3 por cento cada um, seguindo-se-lhes o Economia & Finanças com 0,2, respectivamente. Naquele período, o Valor Económico teve 0,1 por cento.
Já em Setembro, o Economia & Finanças com 0,5 por cento superou o Expansão (0,3%) e o Mercado (0,2%). O Valor Económico teve 0,1 por cento.
Sem indicar as facturações por cada organismo, o AMP posiciona a publicidade institucional - Governo como a que mais aplicou recursos com kz 3,2 mil milhões, seguido dos media que investiram 2,5 mil milhões. Os serviços recreativos e culturais; os da banca e as grandes superfícies surgem com 1,98; 1,39 e 1,29 mil milhões de kwanzas, sequencialmente.
Em termos de demonstração por percentagem nos meios genéricos, os media registaram, em 2018, investimentos de 63 por cento para a televisão, 25 para a imprensa escrita, 10 para a Rádio e dois por cento nos canais de Multicaixas.
Em termos mensais, Dezembro foi o período de maior investimento com kz 2,25 mil milhões, contra 1,32 mil milhão de Fevereiro, o mês com menor fasquia aplicada.

O contexto lá fora
No Brasil, em 2018, o relatório do Conselho Executivo das Normas-Padrão (Cenp-Meios), apontou que os investimentos em publicidade na media foram, praticamente, o mesmo do registado no exercício anterior - 2017, com uma expansão nominal de apenas 0,57 por cento; enquanto os investimentos em publicidade na media tradicional tiveram queda. A participação da internet nesta área passou de 14,8 por cento em 2017, para 17,7 em 2018.
Já o estudo da Kantar Media mostra que a publicidade nos diários impressos agrada mais aos consumidores de notícias do que em outros meios.
A publicação, que entrevistou mais de 5 mil pessoas em cinco grandes mercados (Brasil, China, França, Reino Unido e Estados Unidos), mostrou que 86 por cento dos entrevistados disseram não se incomodar ou gostar de anúncios em jornais, contra 80 em revistas e 70 no caso da televisão. Na media, o índice de tolerância para anúncios em veículos offline é de 75 por cento.
Ao mesmo tempo, a pesquisa – que também inclui quarenta entrevistas a líderes do sector publicitário – surpreende ao revelar que, no meio online, 68 por cento dos adultos entrevistados disseram gostar ou tolerar publicidade, enquanto 73 dos consumidores afirmaram acreditar que os anunciantes fazem um bom trabalho quando se dirigem a eles.
O consumo de notícias, por sua vez, apresenta grande equilíbrio entre os diários impressos (83%), internet (93%) e móvel (84%), meios que, para a maioria dos entrevistados, são complementares.