A rede Nacional de Caixas Automáticas - ATM está constituída, até ao momento, por 3.121 terminais espalhados pelas 18 províncias do país.
Quando se iniciou, em 2010, estavam implantadas pelo país 1.289 ATM.
Hoje, ante mais de 1.500 balcões, os caixas são o dobro das agências e diversificam, de ano em ano, os produtos e serviços disponíveis.
Na zona do Maculusso, em Luanda, de iniciativa do Banco Sol, há um centro também designado “sete magníficos”, que são na realidade sete terminais de ATM implantados e que servem diariamente milhões de clientes.
Apesar de ser o maior em termos de caixas concentradas, a mesma zona, devido ao elevado movimento e procura pelos serviços bancários, está cada vez mais bem servida e responde aos desafios que se impõe.
Na parte Sul, actualmente com maior concentração de pessoas, a parte de Talatona, Benfica e Kilamba são as que maior serviço bancário procuram.
Desde logo, ao que se constatou, a Zona Financeira do Patriota (ZFP) com mais de 15 bancos fixados e não menos de 40 ATM é naqueles arredores uma referência na disponibilização de serviços fora dos balcões.
O cenário de Luanda, que segundo o BNA concentra 52 por cento dos serviços da banca, abre portas aos operadores, uma vez que fora da capital nem sempre se canta de satisfação quando o assunto são serviços interbancários.
Falta de liquidez aos fins-de-semana sobretudo, e de sistemas prejudicam uma rede que cresce de semana em semana.
Os operadores levam os serviços à medida que alargam a sua rede, mas há ainda enormes desafios por serem vencidos.