O Executivo angolano está comprometido em viabilizar e apoiar os investimentos que se constituam em catalisadores da economia nacional.
A promessa do Chefe de Estado, João Lourenço, aos investidores presentes no Fórum Mundial do Turismo, que Luanda acolhe até sábado, visa assegurar o desenvolvimento do turismo e a criação de infra-estruturas para a sua operacionalização.
Atento a “uma nova Angola” voltada para o investimento e para o progresso, o Presidente João Lourenço pediu aos investidores estrangeiros a juntarem-se aos esforços de divulgação dessa imagem que se está a construir.

Sector estratégico


O sector do Turismo assume um importante papel como promotor do desenvolvimento e gerador de receitas e de postos de trabalho.
A par das infra-estruturas, outra aposta, segundo o Presidente da República, passa pela melhoria da qualidade dos serviços no sector, a promoção da actividade nos mercados internacionais promotores do turismo e que despertem o interesse dos turistas para os diferentes destinos turísticos mundiais.
Lembrou que o Governo está a implementar o Programa Prodesi, o qual, pela sua transversalidade, cria condições para melhorar o ambiente de negócios no país, incentivar o investimento privado e promover parcerias, sobretudo no turismo.
“Com a inserção do turismo neste programa, enquanto um dos sectores estratégicos para a diversificação da economia nacional, pensamos ter iniciado um processo irreversível de dinamização da actividade económica, com vista à inversão do cenário desfavorável provocado pela crise económica e financeira que assolou o país”, disse.
João Lourenço disse constituir, igualmente, um desafio importante o aumento da oferta de quartos nos hotéis e resorts de todas as categorias ainda por construir e fazer com que os diferentes sub-sectores do turismo em toda a sua cadeia absorvam os jovens que procuram emprego.
O Fórum Mundial do Turismo já foi realizado na Turquia, Reino Unido, Qatar, EUA, Emirados Árabes Unidos (Dubai) e Ghana.

Parceria reforçada


A aministra do Turismo de Angola, Ângela Bragança, e o presidente do WTF, Bulut Bagci, entendem ser determinante a facilitação de acordos e compromissos com os operadores globais da hotelaria e tuirismo, o que deverá passar pela produção de estatísticas.
De acordo com a ministra do Turismo, no diálogo que estabelecer, Angola tem de ter informações precisas sobre o sector, sabendo inclusive, “que tipo de turista entra e que turismo temos no país”, para ajudar os gestores a tomarem decisões correctas de investimento.
Já Bulut Bagci, do WTF, afirmou à margem da conferência de imprensa que o valor preconizado para ser empregue em Angola é em princípio, mil milhões de dólares em cinco anos. Esse valor, acrescentou o director para a região de África do WTF, Danilo Nhantumbo, não vai ser aplicado em meses ou em um ano.
“É um montante de longo prazo, com uma duração de cinco anos, em função do resultado dos investimentos e financiamentos. Este é um momento de construção de confiança”, declarou.

Hollande dá pontos ao Executivo

O antigo presidente francês, François Hollande, elogiou ontem, em Luanda, a visão estratégica do Chefe de Estado angolano, João Lourenço, na promoção do turismo como factor de desenvolvimento.
Hollande, que efectuou uma visita de algumas horas a Luanda, para participar nos trabalhos do Fórum Internacional do Turismo, falou à imprensa no final de uma audiência que lhe foi concedida pelo Presidente da República.
Para o antigo estadista francês, “o Presidente João Lourenço entendeu o que é o turismo. Não, simplesmente, na visão de visita de pessoas, mas no que o turismo pode proporcionar ao desenvolvimento das artes, do comércio e de outros sectores da economia angolana”.
Diz acreditar nas potencialidades de Angola e nas “grandes oportunidades” de investimento para nacionais e estrangeiros, ao que declarou que o empresariado do seu país pode ajudar a desenvolver o turismo em Angola, dada a capacidade e experiência que tem em domínios como o hoteleiro.