A palavra Moxico deriva de “Muxiko”, uma espécie de cesto que servia para o transporte de víveres e armas de resistência anti-colonial. Com o tempo o soba local passou a utilizar para si o termo Muxiko, dando a entender, segundo o historiador Francisco Chiwende, que “era o receptáculo de todas as questões da sua jurisdição”, de acordo com os dados históricos da província.
Histórias à parte. O tempo é novo, na visão das autoridades centrais e locais, e os desafios cada vez mais actuais à governação.
O Presidente da República, João Lourenço, deslocou-se na manhã de ontem quinta-feira, 12, a Cazombo, sede municipal do Alto Zambeze, onde cumpriu a primeira etapa da visita de trabalho de dois dias à província do Moxico. Os municípios de Camanongue e do Luena seguiram-se como as duas outras etapas da missão do Presidente da República, a cumprir no dia de hoje.
No município do Alto Zambeze, o Chefe de Estado reuniu-se com o Governo Provincial do Moxico , tendo a posterior tomado contacto com o funcionamento dos sectores da Educação e Saúde, através de visitas a uma escola e à maternidade municipal. Ainda ontem na vila do Cazombo, foram recebidos, em audiência, os representantes das autoridades tradicionais, com destaque para a rainha Nhakatolo e o rei dos Bundas, Mbando Muwe Mbando Lifuti.
Para hoje, já em Camanongue, está prevista a inauguração do Hospital Municipal. Depois disso, o Presidente joão Lourenço cumpre o resto do seu programa de visita na capital provincial, Luena. Lá deve participar no Fórum da Agricultura. Haverá ainda a inauguração de uma escola primária e a presença na cerimónia de abertura, pela ministra da Saúde, Silvia Lutucuta, do Centro de Hemodiálise do Hospital Geral do Moxico.
Na antevisão à visita do PR, o governador Gonçalves Muandumba disse que o governo local vai apostar no relançamento da agricultura para tornar a província no principal celeiro alimentar do país.
Em declarações à Angop, disse que tal pressuposto passa primeiro pela reabilitação de estradas e pontes para estimular investimentos, de modo a desenvolver a agricultura em grande escala e criar mais postos de trabalho principalmente para a juventude.
Reafirmou o interesse do Moxico voltar a ser o maior produtor de arroz no país, a par do massango, massambala, milho, mandioca, batata doce e do mel, no quadro dos esforço para a diversificação da economia e garantir a auto-suficiência alimentar.
Segundo o governante, o Moxico tem terras férteis, aráveis e extensas e uma população jovem que precisa de apoios para garantir a produção de produtos agrícolas e seu escoamento. Garantiu, também, facilidades de aquisição de terras aos que pretendem investir na agricultura na região, sem burocracia.
Gonçalves Muandumba informou que o Fórum sobre agricultura, que inicia sexta-feira, deve fazer um diagnóstico sobre a agricultura na província e conceber um programa integrado sobre o sector, estabelecer o apoio a prestar ao empresariado e as famílias que vivem do cultivo da terra.