A empresa Jardim da Yoba, implantada nos municípios da Chibia e Humpata, na província da Huíla, está apostada em contribuir para a auto-suficiência alimentar através do Programa Nacional de Sementes. Segundo o administrador da empresa, João Saraiva, há forte aposta na incorporação científica, tecnológica da cadeia de negócio, com a produção e multiplicação de sementes e propágulos vegetativos em Angola, de forma sustentável e permanente. Explicou que, no ano de 2016, a empresa foi seleccionada para o Programa Nacional de Sementes no qual em cooperação institucional e científica com o Instituto de Investigação Agrária (IIA) e CIMMYT desenvolvem um programa de melhoramento e selecção de plantas. A Jardim da Yoba concluiu a sua fase de instalação e consolidação do processo produtivo, com o primeiro projecto de investimento estrutural com recurso a capitais próprios no final de 2015, constituindo-se como a única empresa produtora de semente certificada de batata em Angola.

Mercado de intervenção
A empresa é constituída por quatro unidades de produção agrícola, dois centros de processamento e armazenamento de sementes e uma unidade agro-industrial para processamento de mel e doces.
Conta ainda com fazendas da Mucuma, Chaungo, Maheque e Humpata.
O gestor revelou que a empresa contribuir para o estabelecimento de uma reserva fitogenética que visa o estabelecimento de um Catálogo Nacional de Variedades, medida que contribui para a diversificação da economia com maiores taxas de incorporação nacional, visando a substituição directa
e indirecta das importações.
Consolidar a posição de liderança no mercado nacional de tubérculos semente de batata e potenciar exportação para países vizinhos, bem como estabelecer um posicionamento estratégico na produção para o mercado nacional de semente de milho, feijão e outros cereais, consta
da estratégia da empresa.

Fruticultura
Informou que a empresa está “fortemente” empenhada em estabelecer um centro de produção frutícola no Sul de Angola, tendo em consideração o potencial edafo-climático de especialidades, com realce para citrinos, no município da Chibia, pomoideas e prunoideas (Humpata) e tropicais (Chaungo).
Prevê, igualmente, estabelecer mecanismos e processos de valor acrescentado na produção de mel, doces e compotas com padrão de qualidade capaz de promover a sua exportação.
Explicou que as unidades de produção da Fazenda Mucuma estão localizadas há uma altitude média de 1.600 metros e com uma área de terra arável de 320 hectares, constituída por solos essencialmente areno-limosos com silte do tipo fersialítico.
Disse que a zona tem uma área irrigada de 100 hectares, dos quais 70 com pivôs rotativos, 10 por aspersão destinado a hortícolas e 20 com rega localizada para pomar de citrinos.
Nesta unidade multiplica-se semente de milho e batata, sob licenciamento do Serviço Nacional de Sementes (SENSE).
Na unidade de produção de Chaungo, localizada a uma altitude de 1.370 metros e com 500 hectares de terra arável, situada no vale aluvial do rio Caculovar, tem solos de natureza argilosa, dos quais 75 hectares irrigados por pivôs rotactivos e 20 com rega gota-a-gota
(pomar de mangueiras).
Multiplica-se semente de milho e semente de batata sob licenciamento do Serviço Nacional de Sementes (SENSE).
Informou que no ano de 2017, a empresa em parceria pública-privada com o Instituto de Investigação Agrária (IIA) iniciaram um programa assistido pelo CIMMYT, para multiplicação e manutenção
de parentais (semente básica).
Este ano, acrescentou, iniciaram trabalhos de melhoramento com base em germoplasma.
“Em 2017 iniciamos o nosso projecto apícola com um programa estruturado para conversão de cortiços tradicionais em apiários do tipo langstroth e multiplicação de colónias que foram colocadas nas nossas fazendas e em projectos partilhados com as comunidade rurais do município da Chibia”, anunciou.

Humpata destaca-se
João saraiva indicou que a unidade de produção – perímetro irrigado da Humpata, localizada a uma altitude de 2000 m, no perímetro irrigado localmente, tem uma área de 120 hectares de terra arável de solos ferraliticos dos quais 10 ha irrigados por pivô rotativo e 60 ha irrigados com rega localizada gota-a-gota para instalação de pomar de prunoideas
e pomoideas (em instalação).
Foi nesta unidade que em 2018/19 se multiplicou comercialmente as primeiras sementes híbridas em Angola, enquanto a unidade de produção – Perímetro Irrigado da Ganjelas – Maheque, localizada a uma altitude de 1.450 m, no perímetro Irrigado das Gangelas tem uma área de 50 hectares de terra arável de solos do tipo Fersialítico, dos quais 33 ha irrigados por pivô rotativo e 10 hectares irrigados com rega localizada gota-a-gota para produção de tomate.
Na comuna da Arimba, indicou, será instalada a unidade de processamento e armazenamento de semente de cereais (milho, massango e massambala) e sementes
de leguminosas (feijão e soja).