A modelagem do potencial dividendo que o país pode aproveitar sobre diferentes cenários da política é a identificação das principais opções de política para optimizar as possibilidades de maximizar o impacto do dividendo demográfico no crescimento económico.
Para o alcance dos resultados o estudo envolveu uma análise das oportunidades e dos desafios demográficos e económicas do país.
Com vista a inversão do actual quadro, o estudo propõe quatro cenários políticos, nomeadamente o cenário de manutenção do estado de coisas, em que prevalece o progresso lento das reformas económicas e da transição demográfica. O segundo cenário orienta para uma maior ênfase económica em que o país maximiza a sua competitividade económica e educativa agressivo na resposta aos desafios económicos do desenvolvimento. Já a terceira opção, orienta para um cenário económico e educativo a fim de aferir o impacto líquido de investimentos máximos no sector económico, aliado a um quarto denominado cenário “combinado” em que o país dá prioridade simultânea aos investimentos em reformas económicas, bem como nos sectores sociais, que reforçam o desenvolvimento de capital humano e conduzem à redução das taxas de notabilidade.
A governação e a prestação de contas são pilares transversais fundamentais nucleares ao sucesso dos outros pilares do dividendo demográfico.
Sugere-se aos países que deve haver uma boa relação entre custo e eficácia na prestação de serviços para proporcionar um ambiente empresarial conducente à atracção de investimento estrangeiro directo, que é fundamental para a expansão do sector privado, assim como a capacidade geral da economia para criar empregos de qualidade suficientes para a força de trabalho jovem.

Angola mobiliza fundos

O ministro da Economia e Planeamento, Manuel Neto da Costa, que encabeçou a delegação angolana à Conferência sobre População e Desenvolvimento assegurou que, apesar do contexto económico do país, o Estado angolano vai continuar a trabalhar para cumprir os compromissos assumidos na primeira e segunda conferência sobre População e Desenvolvimento.
Em declarações ao JE, o governante informou que nesta altura decorrem diligências para mobilizar fundos junto do Banco Mundial, União Europeia, assim como do Banco Africano de Desenvolvimento para assegurar os compromissos sobre
população e desenvolvimento.
A Conferência Internacional sobre “População e Desenvolvimento (CIPD25): acelerando a promessa” foi um convite dos Governos da República do Quénia, Dinamarca e Fundo das Nações Unidas para a População e Desenvolvimento.  
E reúne Estados-membros, governos locais, redes de jovens, organizações da sociedade civil, parceiros do sector privado, académicos e comunidade, a fim de mobilizar e galvanizar compromissos políticos e financeiros necessários para concluir urgentemente os compromissos inacabados do Programa de Acção da Conferência Internacional sobre População e Desenvolvimento.
De recordar que a declaração de Cairo, assumido pelos Governos africanos em 1994, compreende cinco compromissos, nomeadamente, a criação de condições para garantir uma saúde sexual e reprodutiva universal no contexto dos cuidados de saúde universal, a criação de condições e oportunidades de financiamento dos programas sobre saúde sexual reprodutiva, a diversidade demográfica e desenvolvimento sustentável, reduzir a violência baseada no género e práticas nocivas contra a mulher e meninas e por último garantir a saúde sexual reprodutiva e direitos em contexto de fragilidade.