No contrato de adjudicação, as partes podem prever um período de carência de pagamento do valor de licitação de até um mês, contado da data da celebração do mesmo. O pagamento do remanescente pode ser feito até um máximo de três meses posteriores ao período de carência.
Com a oferta, os candidatos devem apresentar Carta Conforto Bancária adequada ou prova de subscrição de seguro de riscos profissionais, visando no mínimo a cobertura do valor da respectiva Proposta Financeira e autorizando a execução imediata de 15 por cento do respectivo valor, como forma de caução, no caso de o candidato vir a se tornar adjudicatário
Além destas situações, a garantia da caução pode ser prestada com a emissão de cheque visado a favor da entidade adjudicante, no valor de 2,0 por cento da oferta.
A proposta financeira e os documentos que a constituem devem ser apresentados em duplicado, encerrados em invólucro opaco, fechado e lacrado, em cujo rosto se deve escrever a palavra “Proposta Financeira” e o nome ou a denominação do concorrente, em conformidade com os modelos apresentados.
A proposta deve ser redigida em língua portuguesa ou, no caso contrário, ela deve ser acompanhada de tradução devidamente legalizada e em relação à qual o concorrente declara aceitar a prevalência sobre os originais.
O valor de licitação inserido na proposta financeira deve ser expresso em kwanza, porém, no caso de a proposta ser em moeda estrangeira, rege o valor convertido à taxa de câmbio do dia da apresentação da proposta. A proposta será mantida inviolável, sendo apenas aberta na sessão do leilão, diante de todos os concorrentes.