O Ministério da Energia e Águas procede hoje, sexta-feira, na localidade de Cufo, província do Cunene, ao lançamento da primeira pedra e ao acto de consignação visando a edificação de projectos estruturantes para o combate da seca no Sul do país.
Com acto de consignação, dar-se-á início às obras de construção de uma central de captação de água no rio Cunene, do sistema de bombagem, da conduta pressurizada, do canal aberto a partir de Cafu até Cuamato.
O acto, que se enquadra no âmbito do programa das acções dos projectos estruturantes para o combate aos efeitos da seca no Sul de Angola, aprovado pelo despacho presidencial 167/19 de 04 de Outubro, permitirá abertura de 10 chimpacas para armazenamento de água,
destinada ao consumo do gado.
O projecto permitirá a transferência de água a partir do rio Cunene, localidade de Cafu para a zona da Shana, entre as localidades de Cuamato e Namacunde, integrado nas acções para mitigação da seca.
Com a execução dessas obras estruturantes, o Executivo dá início a um longo processo que visa restabelecer a normalidade no acesso das populações a água potável, bem como para a prática da agricultura de subsistência e segurança alimentar do gado, provocado pela escassez de chuva e a consequente redução das bacias hidrográficas do Cunene e do Cuvelai, que de alguma forma são o sustentáculo da vida humana e animal da vida na província.

Monitorar seca no Sul
Além dos projectos do Ministério de Energia e Águas, o Gabinete de Gestão do Programa Espacial (GGPEN), afecto ao Ministério das Telecomunicações, lançou na quarta-feira, em Ondjiva, província do Cunene, o projecto de quantificação da problemática da seca no Sul de Angola.
O projecto tem por objectivo demonstrar a implementação de um protótipo do sistema de exploração de dados de satélite para a gestão hídrica e monitoramento da seca.
Com o projecto de quantificação da Problemática da Seca pretende-se explorar os dados de satélites para o seu combate, determinar a taxa de ocupação do solo, identificar as fontes hídricas superficiais e a densidade populacional.
A seca nas províncias do Cunene, Namibe, Huíla e Cuando Cubango afectou 280.867 famílias, o correspondente a 1.340,781 cidadãos, num cenário que provocou, igualmente, a morte de 10.982 cabeças e a destruição de 52 mil 119 campos agrícolas nas referidas províncias, de acordo com o relatório global sobre a execução do Programa Emergencial de Combate à Seca no Sul de Angola.