No sector das Águas houve um aumento de 17,42 por cento na produção, que passou de 157,73 milhões de metros cúbicos em 2017 para 185,22 milhões em 2018.
Na distribuição verificou-se um aumento de 54,66 por cento, passando-se de 107,83 milhões de metros cúbicos de água em 2017 para 166,77 milhões em 2018.
Encontra-se já concluída a construção dos sistemas de abastecimento de água das vilas do Calueque, Golungo Alto, Gonguembo, Cahama, Rivungo, Cuemba, Cunhinga, Nharea, Jamba e Bibala.
Em Outubro, foi anunciado que a partir do II semestre do próximo ano, arrancam as obras para a construção de novos sistemas de captação, tratamento e distribuição de água potável nas sedes das províncias de Luanda, Benguela, Malanje, Moxico, Cuanza Norte, Uíge e Huíla, num investimento de 500 milhões de euros.
A construção das infra-estruturas conta com o financiamento da Espanha, Japão, Alemanha e Índia e visa dar resposta às necessidades de melhoria da qualidade e quantidade de água destinada a mais de sete milhões e 500 mil de consumidores, bem como atingir uma cobertura de 65 por cento para 80.
Segundo dados do sector, o Governo já dispõe de 50 por cento do financiamento, aguardando que até Dezembro o valor total do financiamento esteja disponível.
Actualmente, decorrem obras de construção de novos sistemas de abastecimento de água nas cidades capitais de Cabinda, Zaire, Huambo, Bié e Lunda Norte.
Até 2016, foram construídos 350 quilómetros da rede de distribuição de água potável, no âmbito da segunda fase do Programa de Desenvolvimento Institucional do Sector das Águas (PDISA).

Combate à seca
Com base neste programa de emergência de combate à seca no Sul do país, foram reabilitados nesta província 114 dos 171 pontos de água previstos.
Foram construídos 54 novos pontos de água na província da Huíla e, no Namibe, foram construídos 43 novos pontos de água nos últimos quatro meses.
Desde 2014 que o Executivo não construía nem reabilitava os pequenos sistemas de captação de água na província do Cunene.
Em Novembro, iniciou a construção do sistema de transferência de água do rio Cunene, a partir da localidade de Cafu, até Shana, nas áreas de Cuamato e Namacunde.
O projecto consta de um financiamento avaliado em 200 milhões de dólares norte-americanos, aprovado pelo Presidente da República, João Lourenço, em Abril deste ano, que incluiu ainda a construção das barragens de Caculuve e Ndúe.
A execução dos projectos tem a duração de 18 meses e vai criar 330 novos postos de trabalho, permitindo também, a irrigação de cinco mil hectares de campos agrícolas.