O país já é uma das preferências turísticas, dadas as vantagens proporcionadas pelos actuais modelos de atribuição de vistos, acesso fácil e diversidade de encantos, tendo as estatísticas do Ministério da Hotelaria e do Turismo confirmado um movimento de 400 mil visitantes nacionais e estrangeiros, no I semestre do corrente ano. Os dados avançados pelo secretário de Estado do Turismo, José Alves Primo, na abertura da Bolsa de Turismo enquadrada no programa do “Invest- Huíla 2019”, representam uma mais-valia, por ser uma das vias para alavancar o sector. No entender de José Alves Primo, o número superou as expectativas pela razão do sector do Turismo estar a registar progressivamente o aumento de diversas infra-estruturas de apoio à área, haver cada mais condições do turismo de campo, aventuras, pesca desportiva e outros. Actualmente, sublinhou, o sector pode contribuir com 10% dos empregos a nível mundial, facto que já o torna na maior fonte de empregabilidade. “O potencial e diversidade que o sector está conquistar visa o desenvolvimento sustentável da Agenda 2030”. Considerou que a 134ª posição de Angola, no universo de 140 países, é um lugar que de maneira nenhuma deve desanimar os apostadores do sector, mas sim representar uma sublime oportunidade para desenvolver acções favoráveis a atracção de mais investimentos cujos resultados cativem turistas de todas as partes do mundo. Para ele, a Bolsa de Turismo na Huíla representa uma alavanca capaz de proporcionar melhores experiências de modo que cada visitante possa procurar no território nacional o que de melhor corresponda com seus anseios, sonhos e realizações. “Temos praias, paisagens, animais selvagens e pássaros ou ainda desportos radicais aliciantes”. Segundo ele, apesar do turismo ainda não contribuir com um bolo satisfatório no Orçamento Geral do Estado, a materialização de vários projectos atraem paulatinamente turistas nacionais e de outros pontos do mundo, tornando o mercado promissor e rentável.

Roteiros turísticos
Criada há dois anos com o propósito de alavancar o sector do turismo e hotelaria na região sul (Huíla, Namibe, Cunene e Cuando Cubango), a Associação dos Promotores e Operadores de Turismo (HOTOUR), passa a propor por cada estação climática um roteiro turístico
composto por seis sítios.
Nesta época do ano, a proposta incide na Fenda do Bimbe, Missões, Fumadores, Serra da Leba e Ludovice, locais da região Sul com encantos interessantes e de fácil acesso.
O roteiro já preparado constam 32 pontos turísticos, entre os quais paisagens naturais, sítios históricos, entre outros.
O presidente da HOTOUR, João Lopes, considera premente o incentivo das várias facetas do turismo, destacando o turismo de aventura, do mato, pesca, viagens para pesquisas científicas e outras, tidas como virgens no país.
“A questão da segurança a muito que deixou de ser preocupação assim como as vias de acesso em certos casos”, revelou.
João Lopes considera igualmente ser já necessário apostar-se na massificação de guias turísticos a começar nos pontos mais visitados para orientar e explicar a história dos pontos muito concorridos e até propor aos visitantes outros espaços interessantes a conhecer.

Mais formação
Apelou aos estabelecimentos de ensino públicos e privados a incluírem nos seus currículos académicos cursos ligados a hotelaria e turismo por ser uma área promissora em tempo de paz.
“Precisamos de nos organizar mais neste sector de modo a evitar que os turistas andem sozinhos nas avenidas ou que seja ele próprio a
descobrir a área onde está”.
A HOUTUR vai igualmente sensibilizar as unidades hoteleiras da região Sul a criarem pacotes específicos alinhados com as agências de viagem nacionais e estrangeiras a cada época do ano. “Urge criar condições que de facto cativem gentes do país e além fronteiras”, disse.
Se as agências de viagem e as unidades hoteleiras, exemplificou, passarem a conceber pacotes especiais nos meses de Maio, em honra ao aniversário da cidade, Agosto época das festas de Nossa Senhora do Monte e, Outubro, peregrinação à Mamã Muxima do Toco, haverá mais visitantes de todo o lado do mundo.
“Os pacotes especiais são capazes de atrair mais turistas se os preços de viagem, hospedagem, alimentação, táxi e outros serviços forem mais acessíveis”, argumentou, para acrescentar que às vezes é ter casa cheia e ganhar o razoável do que casa vazia porque os preços
afugentam os clientes.