O movimento no primeiro semestre deste ano foi de 1,4 milhões de turistas nacionais e estrangeiros, tendo arrecado 10 mil milhões de kwanzas, numa altura em que a previsão é de dois milhões até Dezembro.
Dados do Ministério da Hotelaria e Turismo revelam que os números podem crescer se forem acautelados alguns problemas que concorrem para o exercício da actividade como reparação de estradas, redução dos preços praticados na hotelaria, criação de guias turísticos e baixar o custo de vida.
Angola ocupa, actualmente, a posição 134 no leque dos 140 países mais atractivos para a prática do turismo.
Consta que em 2017, entraram em Angola 260.961 turistas, representando uma redução na ordem de 397.485 registados turistas em 2016.

Indicadores
A fonte da instituição acrescentou que as receitas em 2017 representaram um decréscimo de 2 mil milhões de kwanzas, em relação a 2016. No referido ano, o turismo gerou 12 mil milhões de kwanzas.
Os turistas têm como áreas de eleição as províncias de Luanda, Benguela, Huíla, Huambo e Cabinda.
Os turistas estrangeiros vêm da África do Sul, Namíbia e a República Democrática do Congo.

Corre-corre para obter luz “verde” nas agências

aria da Conceição está inquieta. Vai de um lado para outro para marcar o visto e viajar. O centro está apinhado de gente
que pretende ir a Portugal.
Finalmente consegue. “Foi bom. Consegui o visto já posso ir ao encontro da família para passar a quadra natalícia”, conta.
A mesma sorte não teve Fernando Galvão que por problemas administrativos, a solução
ficou para o dia seguinte.
“Tenho a certeza que amanhã a minha situação fica completamente resolvida.
Estou convicto”, disse.
Há muita gente de malas aviadas, mas o momento é “pesado”, pois o custo do bilhete não facilita.