O Presidente da República, João Lourenço, determinou ontem a suspensão de deslocações em missão de serviço, ao exterior do país, dos membros da função Executiva da Administração Central e Local do Estado.
De acordo com uma nota de imprensa da Casa Civil do Presidente da República distribuída hoje à Angop, o Chefe de Estado autorizará, excepcionalmente, a saída dos membros da função Executiva, quando os interesses do Estado assim o justificarem.
Segundo o documento, a medida surge na sequência da declaração da Organização Mundial da Saúde (OMS) de quarta-feira (11), que considera o COVID-19 uma pandemia, por se assistir a uma alta taxa de mortalidade e pelo seu impacto social e económico negativo a nível mundial.
A restrição justifica-se, também, pela necessidade de adopção de medidas de contingência para se evitar a importação de casos desta pandemia (COVID-19) e salvaguardar a saúde da população em geral.
Angola continua sem registo de caso positivo do novo coronavírus, enquanto a RDC, Côte d’Ivoire, Camarões, Senegal, Togo, Egipto, Tunísia, Argélia, Marrocos, Burkina Faso, Nigéria e África do Sul são os países africanos afectados pela pandemia.
Na quarta-feira, a OMS declarou o COVID-19 como uma pandemia, por atingir uma dimensão intercontinental e expandir-se rapidamente para quase todos os países do mundo, causando milhares de mortes.