A Agência Angolana de Regulação e Supervisão de Seguros (ARSEG) apresentou, recentemente, uma breve síntese da actividade seguradora e de fundos de pensões em Angola.
No referido documento realce ao facto de estarem licenciadas 28 seguradoras, 1 de capital público e as restantes de capitais privados.
Por outro lado o sector da mediação registou 55 correctores entre os quais 27 agentes de pessoal colectivo e 883 agentes de pessoas singulares, uma actividade promovida pelo organismo regulador dos seguros para a promoção do aumento da taxa de empregabilidade nacional. Ainda sobre o sector, a nível nacional a carteira de seguros apresenta uma estrutura mais diversificada, com destaque para o seguro de saúde, automóvel e o sector petrolífero.
A implementação do seguro agrícola, de sistemas de supervisão integrados e do seguro obrigatório de importação de mercadorias revelam-se como os principais desafios colocados ao organismo regulador. No domínio da supervisão e acompanhamento do mercado a Arseg prima pela optimização do projecto do decreto presidencial sobre o co-seguro das actividades petrolíferas, em cooperação com a Asan, Acepa e a Sonangol, e pela monitorização dos níveis de solvabilidade e de representação das provisões técnicas.
Para finalizar, a Arseg declara a existência de 8 entidades que geram fundos de pensões, dentre as quais 5 são sociedades gestoras e 3 são empresas de seguro. Ainda, a Arseg, em cooperação com a CMC, tem desenvolvido um trabalho de sensibilização das entidades que geram fundos de pensões a apostarem no mercado de capitais e a fortalecerem a apetência
por estes produtos.
No âmbito da promoção da educação e inclusão financeira foi assinado com o Ministério da Educação um protocolo relativo à introdução no sistema de ensino de temáticas referentes à actividade seguradora.