As importações angolanas, no II Trimestre deste ano, registaram uma queda de 29,8 por cento, comparativamente ao I trimestre e de 12,9 por cento em relação ao período homólogo de 2018. Em termos reais, Angola importou numa soma de kz 1.031 mil milhões (usd 2.09 mil milhões) entre Abril e Junho, deste ano, enquanto as exportações (venda ao exterior) arrecadaram kz 2.990 mil milhões (usd 6.07 mil milhões no câmbio do BNA de quinta-feira), 8,0 por cento a mais em relação ao I Trimestre deste ano e 26,7 em relação a período homólogo do ano passado. De acordo com o relatório sobre o Comércio Externo do II Trimestre publicado pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) na sua página de Internet, as exportações angolanas destinaram-se, maioritariamente, à Ásia com kz 2.472 mil milhões (usd 5.02 mil milhões). Seguiu-se a Europa com kz 266,9 mil milhões (542 milhões de dólares) e a América do Norte com kz 126.289 milhões (256,4 milhões de dólares). De acordo com os resultados registados durante o II Trimestre do ano 2019, a Balança Comercial de Angola teve um saldo positivo na ordem de 1.959 mil milhões de kwanzas (usd 3,9 mil milhões), como resultado do comportamento do preço do petróleo, principal produto de exportação de Angola. Em termos percentuais, os principais continentes das exportações, durante o período em análise, foram a Ásia com 82,7 por cento,Europa com 8,9,América do Norte com 4,2, América Central e Sul com 2,2 e África com 1,3 por cento em relação ao valor total. Nas importações, os principais continentes foram a Ásia com 38,0 por cento, Europa com 36,2, África com 15,1, América Central e do Sul com 5,4 e América do Norte 5,3 por cento em relação ao valor total. Durante o período em análise, os principais parceiros africanos de exportação foram África do Sul com 57,0 por cento,República Democrática do Congo com 27,8, Nigériacom 3,0, Congo (Brazzaville)com 2,9 e Moçambique com 2,5. Para as importações, no mesmo período, os principais parceiros africanos foram o Togo com 56,5 por cento, África do Sul com 29,1, Egipto com 5,8, Marrocos com 1,6 e Namíbia com 1,4. No documento do INE, constata-se que, durante o período em análise, nas exportações, os principais grupos de produtos foram Combustíveis com 96,6 por cento, Outros Produtos com 2,4, Máquinas, Equipamentos e Aparelhos com 0,3 e Produtos Agrícolas com 0,2. Nas importações, no mesmo período, os principais grupos de produtos foram Máquinas, Equipamentos e Aparelhos com 20,2 por cento, Combustíveis com 19,6, Produtos Agrícolas com 16,4, Químicos com 7,9 e Metais Comuns com 7,3. Quanto às exportações, segundo a Classificação por grandes categorias económicas de bens, durante o período em análise, foram impactadas pelas seguintes : Combustíveis com 96,6 por cento, Bens-de Consumo com 2,7, Bens Intermédios com 0,4 e Bens de Capital com 0,3. Nas importações, foram os Bens de Consumo com 34,5, Bens Intermédios com 29,4, Combustíveis com 19,6 e Bens de Capital com 16,5 por cento respectivamente.