Os prémios de seguro directo por ramos explorados aumentaram em 2018, tendo como referência o montante de kz 139 mil milhões, comparativamente aos anos de 2016 e 2017, em que os valores foram de 102 mil milhões e 117 mil milhões, respectivamente.
Quanto à taxa de sinistralidade global, o sector registou em 2018 uma baixa para 47,39 por cento em comparação ao ano de 2017, que fora de 57,36 . Essa taxa era de 46,80 por cento em 2016.
A Arseg é o órgão especializado ao qual incumbe a regulação, supervisão, fiscalização e acompanhamento do sector segurador, ressegurador, de fundos de pensões e de mediação de seguros e de resseguro, visando garantir a sua idoneidade e sustentabilidade e tornando-o capaz de assegurar a protecção dos operadores do mercado, dos tomadores de seguro, segurados, terceiros e beneficiários, bem como de prevenir a ocorrência de riscos sistémicos.
De acordo com uma nota publicada na página de internet do Ministério das Finanças, realiza-se hoje, em Luanda, um fórum em alusão ao XXI aniversário daquele órgão regulador.
O evento é dirigido aos profissionais do sector segurador.
Segundo Aguinaldo Jaime, Presidente do Conselho de Administração da Arseg, trata-se de uma iniciativa que concorre para tornar o sector de seguros cada vez mais competitivo e apto a dar respostas às necessidades de protecção de pessoas e bens, através da partilha de ideias, experiências e conhecimentos que forem difundidos, a partir deste seminário, no seio das respectivas organizações, contribuindo deste modo para o reforço da eficiência, solidez e idoneidade do mercado de seguros em Angola.
Temas como “Tendência do sector segurador e visão geral de indústria seguradora em Angola” fazem parte do encontro, que vai contar com oradores da Arseg, Banco Nacional de Angola, KPMG e da Ernst & Young.