Aumento do preço do petróleo no mercado mundial está na base do superavit na ordem dos 9,4 mil milhões de dólares

Angola obteve um saldo comercial positivo na ordem de 9,4 mil milhões de dólares no primeiro trimestre deste ano, como resultado da subida do preço do petróleo, principal produto de exportação, segundo o boletim do 1º trimestre de 2010 do Instituto Nacional de Estatística (INE), a que o JE teve acesso.

De acordo com o documento, no referido período as exportações líquidas cifraram-se em 12,8 mil milhões de dólares e as importações em 2,7 mil milhões de dólares. Assim, o primeiro trimestre do ano, face ao período homólogo, registou um aumento do valor total das exportações em cerca de 133,92 por cento, enquanto no mesmo período em análise, as importações registaram uma diminuição de 31,38 por cento.

Outro dado que o boletim faz referência oprende-se com os principais parceiros das exportações do país, durante o trimestre, liderado pela China com 47,3 por cento, vindo depois os EUA com 18,73 por cento, a Índia com 8,41 por cento, Canadá com 6,68 por cento e Taiwan com 3 por cento, entre os cinco primeiros. Quanto as importações, Portugal lidera a lista com 17,72 por cento, seguindo-se a China com 10,90 por cento, os Estados Unidos vêm a seguir com 10,23 por cento e com 6,70 por cento está a Bélgica.

Exportações e importações

O volume das exportações da China ficaram estimadas em 6 mil milhões de dólares (equivalentes a 554 mil milhões de kwanzas), numa variação de 256,63 por cento, enquanto as dos EUA ficaram avaliadas em 2,3 mil milhões de dólares (equivalentes 217 mil milhões de kwanzas), numa variação de 41,44 por cento.

No que respeita as importações, o volume das mercadorias de Portugal estão orçadas em 6,6 mil milhões de dólares (equivalentes a 60 mil milhões de kwanzas), enquanto as da China estão avaliadas em 4,9 mil milhões de dólares (equivalentes 37 mil milhões de kwanzas). Em termos monetários, as exportações totais a preços Fob, ficaram avaliada em 12,8 mil milhões de dólares (equivalentes a 1,1 mil milhões de kwanzas), numa taxa de variação de 94,80 por cento, enquanto nas importações a preços Cif, as mercadorias ficaram avaliadas em 3,7 mil milhões de dólares (equivalentes a 340 mil milhões de kwanzas).

Outra nota de realce no primeiro trimestre vai para o facto de o maior volume de importações de Angola ter sido registado nas máquinas, equipamentos e aparelhos com 27,20 por cento; metais com 15,35 por cento; veículos e transportes com 14,12 por cento.

Índice de Preços Grossistas

O Índice de Preços Grossistas (IPG) no país registou uma variação mensal de 1,09 por cento no mês de Julho em relação a Junho do corrente ano. Os produtos de importação foram os que registaram maior aumento no nível geral de preços do IPG com 1,13 por cento.

Segundo o boletim trimestral do Instituto Nacional de Estatística (INE), a indústria transformadora foi a que registou maior variação de preços com 1,14 por cento, tendo contribuído no nível geral de preços dos produtos importados com 1,10 pontos percentuais (pp), representando 97 por cento da variação mensal dos produtos importados.

Assim, os produtos da secção em análise, que maior contribuição deram, foram os automóveis ligeiros com uma quota de 0,11pp; calças, carne de porco e carne de vaca com 0,08pp a cada; a cerveja branca com 0,05pp, enquanto a farinha de trigo, açúcar de cana e carapau congelado estão com 0,04pp a cada. Destacam-se ainda os produtos que sofreram baixa de preços, que são: esfregão com 0,19 por cento, saco de presente com 0,16 por cento, estante de cozinha com 0,15 por cento, papel A4 com 0,14 por cento, rolo para fotografias com 0,13 por cento e cigarro com 0,11 por cento.

Variação homóloga

A variação homóloga do mês de Julho é de 12,85 por cento, superando em 2,06 pp a variação do período homólogo. Em termos de tendências, a taxa de inflação homóloga continua a experimentar valores cada vez mais crescentes, devido, fundamentalmente, ao aumento de preços registados a partir do mês de Dezembro do ano passado.

Durante o mês de Julho do corrente ano, os preços dos produtos de produção nacional aumentaram em 0,92 por cento, comparados com os preços do mês de Junho do mesmo ano, influenciados basicamente pelo aumento verificado nas pescas com 1,72 por cento. Os produtos que sofreram maior aumento de preços foram cachucho com 2,86 por cento, sardinha (peixe fresco) com 2,46 por cento, carapau com 2,25 por cento e corvina com 0,82 por cento.

Os preços dos produtos importados tiveram um aumento de 1,13 por cento durante o mês de Julho do corrente ano, influenciado pelo aumento verificado na indústria transformadora com 1,14 por cento. Os produtos que registaram maior aumento foram: calças para homens com 9,54 por cento, madeira contraplacados com 9,37 por cento; carne de vaca com 0,30 por cento; lamina de barbear com 9,16 por cento; cama casal com 8,89 por cento; fermento em pó com 8,75 por cento; calçado para desportos com 8,34 por cento; vela de ignição com 8,11 por cento; presunto com 7,76 por cento e postiço com 6,84 por cento.

Leia mais sobre outras notícias na edição impressa do Jornal de Economia & Finanças desta semana, já em circulação