A balança comercial angolana registou no primeiro semestre do corrente um saldo positivo de 690 mil milhões de kwanzas.
O valor aduaneiro das mercadorias importadas nesse período atingiu 11,7 milhões de dólares (1,1 mil milhões de kwanzas) ao passo que o das importações somou 18,8 milhões de dólares (cerca de 1,8 mil milhões de kwanzas).

A região aduaneira de Luanda (SRAL) foi a que registou o maior volume de divisas com 902,9 mil milhões de kwanzas, contra igual valor registado no período homólogo de 2012. A região aduaneira de Cabinda (SRAC) segue em ordem de importância com um valor de 93.625, 8 mil milhões de kwanzas contra 46.400, 3 mil milhões registados em igual período do ano anterior numa variação 101,7 por cento.

Já a região aduaneira de Lobito (SRALo) registou durante o período em análise mercadorias avaliadas em 917, 3 mil milhões de kwanzas, contra 89 mil registados no período homólogo de 2012, numa variação de 84,7 por cento, enquanto a região aduaneira de Namibe (SRAN) arrecadou 49,8 mil milhões de kwanzas, contra 48,1 mil milhões, registados no mesmo período do ano passado, numa variação de 3,5 por cento.

Entretanto, o relatório semestral do Serviço Nacional das Alfandegas (SNA) atesta que o valor aduaneiro das cinco principais mercadorias importadas somou mil milhões 47,1 mil milhões de kwanzas correspondentes a 8,6 por cento do total de mercadorias importadas.

Os gasóleos destinados a outros usos somaram 62,8 mil milhões de kwanzas, as outras plataformas de perfuração ou de exploração 32 mil milhões, ao passo que farinhas de trigo ou mistura 19,6 mil milhões de kwanzas, enquanto o arroz acondicionado para venda e outros óleos brutos 14,4 mil milhões.

O valor aduaneiro dos cinco principais países de origem das mercadorias importadas foi de 553,4 milhões de kwanzas equivalentes a 49 por cento do total das importações.

Exportações
O valor aduaneiro das mercadorias exportadas atingiu 1,8 mil milhões de kwanzas contra 4,4 mil milhões, assinalando um acréscimo de 59,1 por cento quando comparado ao período homólogo de 2012.   

A região aduaneira de Luanda registou uma entrada de 1,1 mil milhões contra 3,1 mil milhões de kwanzas registados em igual período de 2012 numa variação de -61,2 por cento, ao passo que a região aduaneira de Cabinda registou 621,3 milhões contra 1,3 mil milhões apurados no período homólogo numa variação de -54,4 por cento.

Já na região aduaneira de Namibe as suas exportações somaram 1,5 mil milhões de kwanzas contra 961,2 milhões, numa variação de 79,1 por cento, ao passo que a de Lobito somou 970,9 milhões, contra 6 mil milhões, numa variação de -59,1 por cento.
Quanto ao valor aduaneiro das cinco principais mercadorias exportadas foi de 1,8 mil milhões de kwanzas correspondentes a 98,6 por cento do total das exportações.

Os óleos brutos de petróleo ou minerais betuminosos somaram 1,6 mil milhões de kwanzas, enquanto os diamantes em bruto ou simplesmente serrados totalizaram 49, 5.

Os óleos destinados a sofrer uma transformação química somaram 11,9 mil milhões de kwanzas, ao passo que o gás propano e os óleos naftaleno totalizaram respectivamente, 10,1 e 6,4 mil milhões.

Assim, o valor aduaneiro dos cinco principais países de destino das mercadorias exportadas foi de 1,4 mil milhões de kwanzas, equivalente a 80,9 por cento do total das exportações.

Receitas
As receitas arrecadadas atingiram 1,7 mil milhões de kwanzas, contra 1,6 do período anterior, registando uma variação positiva de 2,5 por cento em comparação com o mesmo período de 2012.

A  região aduaneira de Luanda foi a que maior receita arrecadou com um valor de 1,4 mil milhões de kwanzas contra 1,3 arrecadados no período homólogo de 2012, enquanto a região de Lobito arrecadou 126,6 milhões contra 103,2 no mesmo período de 2012, numa variação de 22,7 por cento.

As regiões aduaneiras de Namibe e Cabinda arrecadaram 101,3 e 61,8 milhões de kwanzas, respectivamente, contra 98,5 e 85,9, numa variação de 2,8 e -28,1 por cento.

O valor das isenções concedidas às importações atingiu 497,9 milhões de kwanzas, registando uma variação positiva de 13 por cento, enquanto o das exportações somou 317, com variação negativa de 17,7 por cento.

As empresas que maiores isenções beneficiaram foram a Sonangol e suas associadas com um saldo de 317
milhões de kwanzas.