O Banco Millennium Atlântico (ATLÂNTICO) realizou, ontem, na Cidade Financeira de Talatona, em Luanda, um encontro com a classe empresarial dos municípios de Cacuaco, Icolo e Bengo e Dande com o objectivo de criar maior proximidade e partilhar formas de dinamizar o sector produtivo nacional.
A iniciativa liderada pelo presidente da Comissão Executiva, Daniel Santos, é mais um compromisso do banco que procura maximizar a força da sua actual estrutura e de activos para capitalizar aqueles que têm a missão de gerar empregos e garantir o aumento da produção de bens e serviços essenciais à economia.
Para tornar todas as previsões do banco, foi aprovada, em meados deste ano, uma linha de financiamento de 100 milhões de dólares do IFC, organismo do Banco Mundial. Depois, mais recentemente, as duas instituições aprovaram um reforço de 50 milhões de dólares à referida linha aprovada. Já, anteriormente, no início do ano, o Atlântico acertou com o Commerzbankda Alemanha um financiamento de 30 milhões de euros.
Em parceria com a Aenergy e outros operadores internacionais, está a promover novas formas de financiamento a projectos relevantes no sector energético em Angola. Estes esforços têm sido conduzidos no decurso do mais importante encontro global sobre energia.
Na qualidade de instituição financeira com maior foco no desenvolvimento de projectos energéticos em África, e em particular em Angola, o banco juntou, em Lisboa, operadores globais de elevada importância no sector. O encontro, alinhado com a agenda do África Energy Fórum reuniu empresas, investidores e especialistas em energia e o objectivo principal foi o de criar condições no futuro próximo para o financiamento de projectos estruturantes, essenciais para o desenvolvimento económico do Continente Africano, e em especial de Angola, ultrapassando assim um dos maiores desafios do sector.
Esta semana, o Banco Millennium Atlântico, através do Disruption Lab, assina um contrato de parceria com o Founder Institute, uma das maiores aceleradoras de startups do mundo.