De acordo com o delegado regional do Banco Nacional de Angola (BNA), Sebastião Banganga, a carteira de crédito disponibilizada pela banca local ajudou os clientes particulares com salários domiciliados a concretizarem os seus projectos de vida para o bem-estar social das famílias e das empresas na execução dos seus programas produtivos para o crescimento da economia da região.

Segundo ele, este ano, o valor de crédito vai aumentar em função das políticas do Governo que visam financiar projectos produtivos para acelerar a produção interna, com vista a reduzir as importações e incentivar as exportações e assim aumentar a entrada de divisas já no quadro da diversificação da economia.
“O montante disponibilizado demonstra que a actividade da banca comercial em Cabinda é realizada sem restrições. Os bancos continuam a aceitar os depósitos e a conceder créditos a população em geral. É bem verdade que é um processo melindroso, porque existem aquelas entidades singulares e colectivas que as vezes auferem crédito e na hora do reembolso se mostram renitentes”, disse.
Sublinhou que, para salvaguardar os interesses da banca e a garantia de continuidade de concessão de créditos, os bancos comerciais têm afinado os mecanismos de fiscalização e de revisão dos processos que garantam fiabilidade de retorno depois da sua implementação.
“As pessoas interessadas em obter um crédito devem se munir de processos exigidos pelos bancos e traçarem projectos viáveis, sobretudo, produtivos, porque, o governo no quadro da sua política de diversificação da economia, criou vários produtos para pessoas singulares e colectivas, com destaque para o Angola Investe e Crédito Jovem, que têm vindo a resultar. O importante é os clientes colocarem projectos legíveis para que possam ser analisados e aprovados”, explicou.

Belize sem agência bancária

O município de Belize continua a ser a única localidade da província mais ao norte de Angola sem nenhuma agência bancária, ao contrário de Cabinda, Cacongo e do Buco-Zau que contam com 66 balcões, pertencentes ao BPC, BCI, BAI, BFA, BIC, BCA, BMF, BNI, Keve, Caixa Angola, Sol, Millenuium Atlântico, Standard Bank e Banco Económico.
Para Sebastião Banganga, a falta de agências bancárias no município de Belize tem estado a preocupar as autoridades competentes da província que têm estado a apelar aos bancos comerciais a instalarem os seus balcões para a satisfação da população local.
“Continuamos preocupados com a falta de cobertura do sistema bancário, no município de Belize, apesar dos bancos comerciais terem a política de abrir as suas agências nas localidades onde a actividade económica se faz sentir. Mas, hoje, o município de Belize pelas suas características actuais e pela dinâmica que se assiste no domínio económico e social deveria ter um balcão da banca comercial”, disse.
O nosso interlocutor afirmou que a delegação regional do BNA tem conhecimento que alguns bancos comerciais têm mantido contactos com a administração municipal para aquisição de espaços onde possam fazer abertura de agências bancárias.
De acordo com o Sebastião Banganga, enquanto se aguarda pela abertura de agências bancárias, no município de Belize, os empresários e pessoas singulares podem aderir o serviço de correspondente bancário, criado pelo BNA que do ponto de vista de legislação, permite a criação de uma figura que exerce actividade bancária como a de um banco comercial para que a população possa beneficiar dos serviços de depósito e de levantamento.
“Apesar da falta de agências bancárias no Belize, estamos satisfeitos com o trabalho feito pelos bancos comerciais no fornecimento dos seus produtos e serviços”, disse.