Famílias e as empresas devem ter na poupança uma opção de acumulação de renda, sobretudo nesta fase que o mundo no geral e Angola em particular enfrenta crises financeiras cíclicas, de modo a garantir o investimento e geração da riqueza.
Essa ideia foi defendida há dias, na cidade do Luena, província do Moxico, pelo administrador do Banco de Comércio e Indústria (BCI), Jorge Leão Peres, num workshop sobre educação financeira em curso no país, no qual dissertou sobre o reflexo da crise na gestão das finanças.
Em função do contexto actual de crise, disse ser necessário que haja poupança para assegurar a estabilidade financeira das famílias e empresas.
De forma incisiva, o gestor aconselhou as famílias a cultivar o hábito de poupar, pois a poupança permite guardar recursos financeiros que poderão ser aplicados em diversos negócios e realizar investimentos rentáveis.
A propósito do workshop, a secretária provincial da mulher empreendedora, Alice Muaco, louvou a iniciativa do BCI em procurar dotar a classe empresarial de conhecimento e informação sobre como poupar mesmo em tempo de crise.
Por sua vez, o empresário Benjamim Afonso considerou salutar a realização do encontro, porque a troca de ideias, informação e experiências permite capacitar os empreendedores locais.
O BCI tem vindo nos últimos tempos a efectuar uma campanha de sensibilização à população de várias regiões do país, para adoptar cultura de poupança no âmbito do programa de educação financeira em curso.