O contributo do Banco de Fomento Angola (BFA) para o lucro consolidado do grupo BPI, durante o primeiro trimestre deste ano, fixou-se em 2,1 mil milhões de kwanzas (17 milhões de euros), todavia inferior em 7.2 por cento comparativamente ao período homólogo do ano anterior quando se estabeleceu em 2,2 mil milhões de kwanzas (18,4 milhões de euros).

Estes valores representam a retenção pela apropriação de 50,1 por cento do capital do banco angolano que é detido pelo grupo BPI. A participação do BFA, conjuntamente com outras sucursais do grupo, permitiu um lucro líquido na actividade internacional que se fixou em 2,3 mil milhões de kwanzas (19.3 milhões de euros) no primeiro trimestre.

Os dados avançados constam do relatório trimestral do grupo BPI, recentemente divulgados. A rendibilidade dos capitais próprios médios afectos à actividade internacional (ROE) ascendeu a 20,7 por cento.

Recursos e crédito
Os recursos totais de clientes captados pelo BFA registam um aumento homólogo de 14.7 por cento, atingindo os 648 mil milhões de kwanzas.

A quota de mercado do BFA em recursos ascendeu a 16 por cento em Fevereiro de 2013, a que corresponde a segunda posição no mercado angolano. A carteira de crédito a clientes do BFA, por seu lado, aumentou 9,7 por cento, tendo-se situado nos 135 mil milhões de kwanzas (1,097 milhões de euros), contra os 123 mil milhões (1,001 milhões de euros) do período homólogo de 2012.

Carteira de títulos
A carteira de títulos do BFA ascendeu, no final de Março deste ano, a 239 mil milhões de kwanzas (1,939 milhões de euros), ou seja, 32 por cento do activo. A carteira de títulos de curto prazo, constituída por Bilhetes do Tesouro e Títulos do Banco Central ascendeu a 399 milhões de euros no final de Março (-404 milhões de euros em relação ao período homólogo de 2012) e a carteira de Obrigações do Tesouro ascendeu a 1,537 milhões de euros (+289 milhões de euros em relação ao primeiro trimestre 2012).

O número de clientes aumentou 17 por cento, superando os 947 mil de Março de 2012, para 1,106 mil, controlados em Março de 2013. Já a rede de distribuição em Angola aumentou 7,5 por cento, relativamente a Março de 2012. Foram abertos, em 2013, três novos balcões e um centro de empresas. No final do primeiro trimestre de 2013, a rede de distribuição integrava 147 balcões, oito centros de investimento e 16 centros de empresas, o que representava uma quota de mercado de 17 por cento em termos de balcões.

O BFA tem vindo a desenvolver um programa de expansão que inclui a abertura de agências, o significativo reforço do quadro humano do banco, a introdução de produtos e serviços inovadores no mercado e uma abordagem segmentada dos clientes com o objectivo de dar resposta e captar a oportunidade proporcionada pelo crescimento do mercado angolano.

O banco detém ainda uma posição destacada nos cartões de débito e crédito, com uma quota de mercado, no período em referência, de 25 por cento em termos de cartões de débito válidos. No final de Março, o BFA tinha 900 mil cartões de débito válidos (cartões multicaixa) e 14,702 cartões de crédito activos (cartões gold e classic).

Canais automáticos
Relativamente aos canais automáticos e virtuais, é de referir  a crescente utilização da banca electrónica (377 mil aderentes ao BFA NET até Março de 2013, dos quais 369 mil particulares) e um extenso parque de terminais com 330 ATM 3,997 terminais de ponto venda (POS) activos na rede Emis, a que correspondiam quotas de mercado de 18 por cento (2ª posição) e 28 por cento (1ª posição), respectivamente.

Sobre o quadro de colaboradores do BFA, este ascendeu no final de Março de 2013 a 2,320, o que corresponde a um aumento de 176 (+8.2 por cento), relativamente a Março do ano anterior. No final de Março de 2013, o número de colaboradores do BFA representava cerca de 27 por cento do quadro de colaboradores do grupo.

O produto bancário na actividade internacional ascendeu aos quatro milhões de euros no primeiro trimestre de 2013 (1,1 por cento, relativamente ao período homólogo de 2012).

O aumento dos lucros em operações financeiras para os 482 milhões de kwanzas (3.9 milhões de euros) compensou a queda da margem financeira para os 383 milhões de kwanzas (-3.1 milhões de euros), a qual foi, sobretudo, penalizada pela redução verificada nas taxas de juro de colocação dos títulos de curto prazo emitidos pelo BNA e pelo Tesouro angolano.

Consolidado do grupo
O lucro líquido do grupo BPI no primeiro trimestre deste ano foi de pouco mais de cinco mil milhões de kwanzas (40,5 milhões de euros). No seu global e até Março, o rácio de crédito a clientes vencido há mais de 90 dias ascendia a 3.3 por cento nas contas consolidadas. O rácio de crédito em risco ascendia a 4.7 por cento nas contas consolidadas.

Já a carteira de crédito a clientes consolidada líquida atingiu os 3,3 triliões de kwanzas (27.2 mil milhões de euros), o que corresponde a uma redução homóloga de 4.2 por cento. Os depósitos de clientes estabilizaram (- 0.1 por cento), em termos homólogos, em 2,9 triliões de kwanzas (24.1 mil milhões de euros).

O produto bancário consolidado subiu 18.2 por cento (53.1 milhões de euros) em relação ao primeiro trimestre de 2012, beneficiando do aumento de 8,2 mil milhões de kwanzas (67 milhões de euros) dos lucros em operações financeiras que incluem no primeiro trimestre de 2013 mais-valias de 15,9 mil milhões de kwanzas (129,3 milhões de euros) realizadas na venda de
Obrigações do Tesouro.