Com vista a possibilitar a mobilidade nas transacções interbancárias no mercado monetário nacional, o Comité de Política Monetária (CPM) do Banco Nacional de Angola, decidiu que as operações de redesconto passam a ser indexadas à taxa de juro de facilidade permanente de cedência de liquidez.

Tendo presente a análise efectuada aos indicadores macroeconómicos, que inclui a evolução recente e as perspectivas para a economia angolana, da região SADC e internacional, o CPM decidi ainda manter, a taxa básica de Juro (taxa BNA) em 10 por cento ao ano, a taxa da facilidade permanente de cedência de liquidez em 11,25 por cento ao ano,  bem como a taxa de facilidade permanente de absorção de liquidez em 1 por cento ao ano.

Evolução da economia
No mês de Junho, a taxa de inflação mensal foi de 0,63 por cento, inferior à registada em Junho, que foi de 0,87 por cento. A taxa de inflação dos últimos 12 meses registou uma diminuição, tendo passado de 9,25 por cento para 9,19 por cento.

Os bens e serviços diversos, foram o que registaram maior variação de preços, com 0,82 por cento e a alimentação e bebidas não alcoólicas voltou a ser a que mais contribuiu para a inflação mensal, com 0,36 pontos percentuais.

A luibor com maturidades overnight, 3 e 12 meses situou-se em 6,1 por cento, 8,87 por cento e 10,43 por cento ao ano, respectivamente.

No mês de Junho, o crédito à economia registou um aumento de 1,20 por cento, tendo atingido o stock de 2.7,9 mil milhões de kwanzas.

A taxa de juro média do crédito de 181 dias a 1 ano em moeda nacional foi de 12,17 por cento para o segmento de particulares e de 14,41 por cento para o segmento empresarial, mantendo-se a tendência de redução das taxas de juro.

A taxa de câmbio média de referência do kwanza em relação ao dólar americano situou-se em 96,326 kwanzas no final do mês de Junho, mantendo-se a estabilidade no mercado cambial.

O montante vendido de divisas ao mercado pelo BNA no mês de Junho foi de 158,3 mil milhões de kwanzas, perfazendo um total de 932 mil milhões de kwanzas nos primeiros seis meses do ano.  

Economia regional
No que concerne à previsão de crescimento económico da região da SADC, espera-se que a taxa de crescimento do PIB seja de 5,2 por cento este ano, sendo este valor superior ao registado em 2012 (4,8 por cento) e a previsão apresentada em Fevereiro do corrente (5,1 por cento). Destacam-se as taxas de crescimento do PIB da República Democrática do Congo (7,9 por cento), da Tanzânia (7,2 por cento), de Angola (7,1 por cento), de Moçambique e do Zimbabwe (7 por cento).

A inflação da economia regional registou uma desaceleração na maior parte dos países da região subsahariana. A informação disponível indica que a África do Sul teve uma inflação de 5,6 por cento, Botswana 6,1 por cento, Ilhas Maurícias 3,7 por cento, Moçambique 4,9 por cento, Namíbia 6,1 por cento, Ilhas Seychelles 3,7 por cento, Tanzânia 8,3 por cento, Zâmbia 7,0 por cento e Zimbabwe 2,2 por cento.

O preço do petróleo (Brent) no mercado internacional, principal produto de exportação de Angola, e maior contribuinte na sua balança de pagamentos reduziu durante o mês de Maio, situando-se em média num patamar de 103,28 dólares/barril.

Actividade económica
As estimativas do Executivo angolano apontam para uma perspectiva de crescimento real do Produto Interno Bruto (BIP) na ordem de 7,1 por cento em 2013, face aos 7,4 por cento observados em 2012, com ênfase para o contínuo crescimento da economia não-petrolífera.

Em Maio, de acordo com dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), a taxa de inflação variou em 0,87 por cento, após uma variação de 0,60 por cento em Abril. A classe lazer, recreação e cultura foi a que registou maior variação de preços, com 1,39 por cento, sendo a alimentação e bebidas não-alcoólicas a que mais contribuiu para a inflação do mês com 0,43 pontos percentuais ou 49,16 por cento.

A inflação acumulada dos cinco primeiros meses do ano é de 3,62 por cento, um aumento quando comparado com os 3,41 por cento observados no mesmo período de 2012. Ainda de acordo com os índices do INE, os produtos da cesta básica que mais variaram foram o sabão (2,11 por cento), a fuba de milho (1,51 por cento) e a fuba de bombó (1,28 por cento).

Contas monetárias
No sector monetário, dados preliminares de Maio de 2013, indicam uma expansão mensal dos depósitos do sistema bancário de 0,60 por cento. As taxas de juro dos títulos públicos registaram uma queda em todas as maturidades. A luibor seguiu estável e o crédito à economia cresceu 1,54 por cento, no mês de Maio.

No mês em análise, o stock de reservas internacionais brutas situou-se em 3.294,1 milhões de kwanzas, representando uma expansão de 4,21 por cento em termos relativos e 132,9 mil milhões de kwanzas em termos absolutos, quando comparado ao mês imediatamente precedente. No mercado cambial primário, a taxa média de câmbio de referência do kwanza face ao dólar norte-americano fixou-se em 96,168 kwanzas em finais de Maio de 2013, tendo-se depreciado em apenas 0,128 por cento.