A formação e qualificação do capital humano constitui, actualmente, o principal desafio do conselho de administração do Banco de Poupança e Crédito, neste novo paradigma de reestruturação da instituição financeira de capitais públicos. O presidente do Conselho de Administração do Banco, António André Lopes, afirmou no Lubango que o diagnóstico preliminar dos meses de liderança no BPC identificou como necessidade a qualificação da força de trabalho para melhorar a qualidade dos serviços prestados. António André Lopes afirmou que o banco de poupança registo nos últimos anos crescimento acentuado que “não foi acompanhado com a formação das pessoas, como o principal recurso de qualquer organização”, numa altura em que “o mercado da banca e financeiros está cada vez mais exigente. “Estamos numa fase de diagnóstico nestes primeiros dias. Percebemos que precisamos qualificar a nossa força de trabalho. A formação deve ser constante. Estamos a incentivar a participação dos nossos técnicos nas iniciativas de capacitação definida na área do capital humano”, reconheceu, acrescentando, que “não vamos medir esforço para fazer isso”.

Apoio ao crédito
António André Lopes referiu que o BPC tem outras responsabilidades no seguimento de empresas, no qual as exigências do Estado ede empresários pesam sobre o banco em luta de recuperar o bom nome. Tudo passa por um período de estabilizar o funcionamento da instituição, como sistema informático, trabalhar no plano de reestruturação e recapitalizaçao, e depois a recuperação e crescimento. O presidente do Conselho de Administração disse que o Banco de Poupança e Crédito está a ultrapassar os constrangimentos relacionados com os requisitos que impossibilitaram a concessão do financiamento à luz da linha de crédito do Banco Africano de Desenvolvimento (BAD), avaliados em usd 325 milhões. *DM