“A concessão de crédito aos nossos clientes está para breve, um facto que vai depender do saneamento da carteira de crédito que está
a ser feito”, disse o gestor.
Até Julho deste ano, 231 mil milhões de kwanzas era o valor da carteira de crédito mal parado que o BPC previa vender à Recredit, no âmbito do plano de recapitalização da instituição financeira.
O BPC tem balcões nas 18 províncias de Angola e é o maior banco comercial do país, com 444 pontos de atendimento.
A sua criação em 1991 é precedida de outras instituições que lhe deram origem desde 1956.
O novo presidente do Conselho de Administração do BPC disse que os seus colaboradores estão a elaborar medidas que visam aumentar a capacidade operacional da maior instituição pública nacional.
O saneamento da carteira de crédito e a redução do custo operacional do Banco de Poupança e Crédito constam das prioridades do novo
Conselho de Administração.
Por outro lado, o presidente do Conselho de Administração da Comissão do Mercado de Capitais (CMC), Mário Gavião, que também tomou posse na última sexta-feira, disse que o principal desafio das administrações que acabam de tomar posse é, sobretudo, organizar o capital humano e continuar o trabalho que se tem estado a fazer em prol das pessoas.
“Numa vertente externa é dar suporte naquilo que são as acções do Estado para a materialização dos objectivos definidos no seu programa de governação”, disse.